segunda-feira, 5 de dezembro de 2011

INIMIGOS OCULTOS

Mencionamos, com muita freqüência, que os inimigos exteriores são os piores
expoentes de perturbação que operam em nosso prejuízo. Urge, porém, olhar para
dentro de nós, de modo a descobrir que os adversários mais difíceis são aqueles de que
não nos podemos afastar facilmente, por se nos alojarem no cerne da própria alma.
Dentre eles, os mais implacáveis são:
- o egoísmo, que nos tolhe a visão espiritual, impedindo vejamos as
necessidades daqueles que mais amamos;
- o orgulho, que não nos permite acolher a luz do entendimento, arrojando-nos
a permanente desequilíbrio;
- a vaidade, que nos sugere a superestimação do próprio valor, induzindo-nos a
desprezar o merecimento dos outros;
- o desânimo, que nos impele aos precipícios da inércia;
- a intemperança mental, que nos situa na indisciplina;
- o medo de sofrer, que nos subtrai as melhores oportunidades de progresso, e
tantos outros agentes nocivos que se nos instalam no Espírito, corroendo-nos a energias
e depredando-nos a estabilidade mental.
Para a transformação dos adversários exteriores contamos, geralmente, com o
amparo de amigos que nos ajudam a revisar relações, colaborando conosco na
constituição de novos caminhos; entretanto, para extirpar os que moram em nós, vale
tão-somente o auxílio de DEUS, com o laborioso esforço de nós mesmos.
Reportando-nos aos inimigos externos, advertiu-nos JESUS que é preciso
perdoar as ofensas setenta vezes sete vezes, e decerto que para nos descartarmos dos
inimigos internos – todos eles nascidos na trevas da ignorância – prometeu-nos o
Senhor: “conhecereis a verdade e a verdade vos fará livres”,
o que equivale dizer que só estaremos a salvo de nossas calamidades interiores,
através de árduo trabalho na oficina da educação.
7