sábado, 10 de março de 2012

HEROÍSMO OCULTO

Terás ouvido narrativas em torno de feitos sublimes, nos quais criaturas
intrépidas ofereceram a própria existência para salvar os outros, quais os que tombaram
na defesa da coletividade, em honra da justiça, e os que foram surpreendidos pela
desencarnação inesperada, em louvor da ciência, ao perquirirem processos de socorro
aos sofrimentos da Humanidade.
Reverenciemos, sim, o nome dos que se esqueceram, a benefício dos
semelhantes contudo, não nos será lícito esquecer que existe um heroísmo obscuro, tão
autêntico e tão belo quanto aquele que assinala os protagonistas das grandes façanhas,
perante a morte - o heroísmo oculto dos que sabem viver, dia por dia, no círculo estreito
das próprias obrigações, a despeito dos empecilhos e das provações que os supliciam na
estrada comum.
Pondera isso, quando os embaraços da vida te amarguem o coração!... Certificate
de que se existem multidões na Terra que aplaudem as demonstrações de coragem
dos que sabem morrer pelas causas nobres, existem multidões no Mundo Espiritual que
aplaudem os testemunhos da compreensão e sacrifício dos que sabem viver, no auxílio ao
próximo, apagando-se, a pouco e pouco, em penhor do levantamento de alguém ou da
melhoria de alguns na arena terrestre.
Reflitamos no assunto e observa a parte mais difícil da existência que o Senhor
te confiou... Será ela talvez o cativeiro a obrigações domésticas inadiáveis, o conflito
íntimo, a condução laboriosa de um filho doente, a tutela de um companheiro menos
feliz, a tolerância permanente para com o esposo ou a esposa em desequilíbrio ou, ainda,
a responsabilidade pessoal e direta na garantia das obras de benemerência e cultura,
elevação e concórdia na direção da comunidade.
A matrícula na escola do heroísmo silencioso está aberta constantemente, a nós
todos.
Revisemos a anotação do Divino Mestre:"Quem quiser caminhar nos meus
passos, renuncie a si mesmo, tome a sua cruz e siga-me."
Qual será e como será a cruz que te pesa nos ombros? Seja ela qual for, lembrate
de que o Cristo de Deus nos aguarda no monte da vitória e da redenção, esperando
tenhamos suficiente coragem para abraçar o heroísmo oculto na fidelidade aos nossos
próprios deveres até o fim.


Alma e Coração/Emmanuel