quinta-feira, 15 de março de 2012

MÃEZINHA

Quando o Pai Celestial precisou colocar na Terra as primeiras
criancinhas, chegou à conclusão de que devia chamar alguém que soubesse
perdoar infinitamente.
De alguém que não enxergasse o mal.
Que quisesse ajudar sem exigir pagamento.
Que se dispusesse a guardar os meninos, com paciência e ternura, junto
do coração.
Que tivesse bastante serenidade para repetir incessantemente as
pequeninas lições de cada dia.
Que pudesse velar, noites e noites, sem reclamação.
Que cantarolasse, baixinho, para adormecer os bebês que ainda não
podem conversar.
Que permanecesse em casa, por amor, amparando os meninos que
ainda não podem sair à rua.
Que contasse muitas histórias sobre a vida e sobre o mundo.
Que abraçasse e beijasse as crianças doentes.
Que lhes ensinasse a dar os primeiros passos, garantindo o corpo de pé.
Que os conduzisse à escola, a fim de que aprendessem a ler.
Dizem que nosso Pai do Céu permaneceu muito tempo, examinando,
examinando... e, em seguida, chamou a Mulher, deu-lhe o título de Mãezinha e
confiou-lhe as crianças.
Por esse motivo, nossa Mãezinha é a representante do Divino Amor no
mundo, ensinando-nos a ciência do perdão e do carinho, em todos os instantes
de nossa jornada na Terra. Se pudermos imitá-la, nos exemplos de bondade e
sacrifício que constantemente nos oferece, por certo seremos na vida preciosos
auxiliares de Deus.