quinta-feira, 29 de março de 2012

Traço Espírita

O companheiro, contado na estatística da Nova Revelação, não pode viver de modo diferente dos outros, no entanto, é convidado pela consciência a imprimir o traço de sua convicção espírita em cada atitude.

Trabalha - não ao jeito de pião consciente enrolado no cordel da ambição desregrada, aniquilando-se sem qualquer proveito.
Age construindo.
Estuda - não para converter a personalidade num cabide de condecorações acadêmicas sem valor para a Humanidade.
Aprende servindo.
Prega - não para premiar-se em torneios de oratória e eloquência, transfigurando a tribuna em altar de suposto endeusamento.
Fala edificando.
Administra - não para ostentar-se nas galerias do poder, sem aderir à responsabilidade que lhe pesa nos ombros.
Dirige obedecendo.
Instrui - não para transformar os aprendizes em carneiros destinados à tosquia constante, na garantia de propinas sociais e econômicas.
Ensina exemplificando.
Redige - não para exibir a pompa do dicionário ou render homenagens às extravagâncias de escritores que fazem da literatura complicado pedestal para o incenso a si mesmos.
Escreve enobrecendo.
Cultiva a fé - não com o intento pretensioso de escalar o céu teológico pelo êxtase inoperante, na falsa idéia de que Deus se compara a tirano amoroso, feito de caprichos e privilégios.
Crê realizando.

O espírita vive como vivem os outros, mas em todas as manifestações da existência é chamado a servir aos outros, através da atitude.

    ANDRÉ LUIZ
    (Opinião Espírita, 3, edição CEC)

    CRÉDITOS:
    Imagem ilustrativa: "Path Way" - Gilbert Williams
    Som midi: "Tristesse", de Chopin
    Formatação: Lori Santos
    Ao repassar/republicar, favor conservar os créditos. Exclusivamente para uso não-comercial.
    By passing on /republish, please keep the credits. Exclusively for non-commercial use.