segunda-feira, 10 de setembro de 2012

NO MEIO QUE CONVÉM

Isso não pode também acontecer como expiação, e Deus não
pode enviar os espíritos rebeldes a mundos inferiores?
- Os espíritos podem permanecer estacionários, mas nunca retrogradam; sua
punição, pois, é a de não avançar e de ter que recomeçar as existências malempregadas,
no meio que convém à sua natureza.
(“O livro dos Espíritos”, questão nº 178-a)

O espírito sempre gravita na órbita de suas necessidades cármicas
mais imediatas; entre aquilo que ele quer e o que ele aspira, está
aquilo que lhe convém...
É neste sentido que, na maioria das vezes os espíritos são
constrangidos a renunciar a certos anseios do sentimento para
atender os alvitres da razão, distanciando-se dos que mais ama
para se aproximar dos que lhe aspiram indiferença.
Toda conquista de ordem moral e intelectual é patrimônio
inalienável – os espíritos, conforme a própria resposta ao
codificador, “nunca retrogradam”. Do ponto vista social incursiona
nos mais diversos caminhos, amealhando conhecimentos os mais
diversificados, todavia jamais abdica da condição moral que
realmente tenha alcançado; inclusive, as suas faculdades
intelectuais, de uma existência para outra, podem se apresentar
eclipsadas, mas suas conquistas no campo do conhecimento
permanecem íntegras, assim como a semente que por vezes,
aguarda o instante para germinar com proveito.
O carma é o que nos atrai para as experiências reencarnatórias
prioritárias – Entre o sonho e a realidade, vagueiam na Terra e nas
dimensões espirituais que lhe cultivem a psicosfera. Quando
compreendemos, renunciamos ao sonho pela realidade, para que o
nosso pesadelo não se faça maior...
Os espíritos que não auscultam as necessidades evolutivas, antes
de um novo mergulho na carne, reencarnam sem planejamento,
relegados às circunstâncias de uma existência física muitas vezes
imprevisível.
O homem desencarnará como se encontra no mundo e
reencarnará na condição em que esteja na vida espiritual. Não há
quebra de seqüência, não há milagres de transformação, não há
privilégios...
Infelizmente, milhares de espíritos voltam à convivência dos
homens no mundo, sem sequer terem alcançado maior lucidez
quanto ao fenômeno da desencarnação que já protagonizaram um
sem-número de vezes: Entram e saem do corpo como alguém que
esteja atravessando uma passagem subterrânea, sem a noção exata
de que estejam indo e vindo...
Quem aspira melhor vida futura trate de merecê-la desde já,
diminuindo seus óbices kármicos; sobretudo, aprenda a extrair
alegria da prova, porquanto a Divina Lei localizará junto de si os
espíritos recalcitrantes que possam aprender com seus exemplos.
Os espíritos não se iluminam para afastar-se de vez dos que
vivem na Terra... Habilitemo-nos para nós mesmos, mas também
para os outros. Em termos espíritas ninguém serve hoje para deixar
de servir amanhã, mas para servir mais, hoje, ainda e sempre!
Convença-se, pois, a criatura encarnada de que, por mais diversa
que lhe pareça a existência, esta é a melhor oportunidade de
ascensão espiritual dentre as muitas que a sabedoria Divina já lhe
concedeu.