terça-feira, 11 de setembro de 2012

Profissão

Pelos contatos da profissão cria o homem vasta escola de trabalho,
construindo a dignidade humana; contudo, pela abnegação
emite reflexos da beleza divina, descerrando trilhos novos para o
Reino Celestial.
A profissão, honestamente exercida, embora em regime de retribuição,
inclina os semelhantes para o culto ao dever.
A abnegação, que é sacrifício pela felicidade alheia, sublima
o espírito.
É por isso que todos os povos sentem necessidade de erguer,
no imo do próprio seio, um altar permanente em que rendam
preito aos legítimos heróis.
A abnegação que começa onde termina o dever possibilita a
repercussão da Esfera Superior sobre o campo da Humanidade.
O delinqüente comum, algemado ao cárcere, inspira piedade e
sofrimento. O paladino de uma causa nobre, injustamente recluso
no mesmo sítio, provoca respeito e imitação.
O administrador consciente e amigo que reparte os bens do
serviço, gastando a parte que lhe compete com escrupulosa probidade,
é um padrão de virtudes terrenas. O homem que cede suor e
sangue de si mesmo, a benefício de todos, sem cogitar do seu
interesse, é um apóstolo das virtudes celestes.
A ama, devidamente paga por seu trabalho, junto à criança
que lhe recebe carinho, é credora natural de atenção e reconhecimento,
mas o coração materno, em constante renúncia, arrebata,
quem o contempla, à glória do amor puro.
 É assim que o matemático, laureando-se de considerações
públicas, dignamente gratificado pela obra que realiza, é catalogado
à conta de cientista, e o cientista, mergulhado no trabalho
incessante, em favor da tranqüilidade e da segurança da civilização,
esquecido de si mesmo, é classificado por benfeitor.
Pela fidelidade ao desempenho das suas obrigações, o homem
melhora a si mesmo e, pela abnegação, o anjo aproxima-se do
homem melhorado, aprimorando a vida e o mundo.
Nas atividades que transcendem o quadro de serviços remuneráveis
na Terra, fruto das almas que ultrapassaram o impulso de
preservação do próprio conforto, descem os reflexos mentais das
Inteligências Celestes que operam, por amor, nas linhas da benemerência
oculta, linhas em que encontramos os braços eternos do
Divino Incognoscível, que é Deus.
Nessa província moral do devotamento sem lindes, em que
surpreendemos todos os corações humanos consagrados ao serviço
espontâneo do bem, nem sempre respira o gênio, por vezes
onerado de angústia pela soma dos reflexos infelizes que carreia
consigo desde o passado distante, mas identificamos facilmente os
altos sacerdotes de todas as religiões, os admiráveis artistas de
todas as pátrias, os nobres inventores de todos os climas, os artífices
iluminados de todos os povos e as grandes mães, tanta vez
esquecidas e sofredoras, de todas as latitudes. Por todos esses a
Espiritualidade Superior desce gradativamente à esfera humana,
sem qualquer ligação com o pagamento da popularidade e do
ouro, porque é aí, pelo completo desprendimento de si mesma, no
auxilio aos outros, que a alma vive o apostolado sublime da renúncia
santificante, atraindo o Pensamento Divino para o burilamento
e a ascensão da Humanidade.