terça-feira, 6 de novembro de 2012

Circunstâncias e medo

O ninho estava colocado bem no alto de um pico rochoso. Abaixo, somente o abismo e o ar para sustentar as asas dos filhotes.
A águia empurrou gentilmente seus filhotes para a beirada do ninho. Seu coração se acelerou com emoções conflitantes, ao mesmo tempo em que sentiu a resistência dos filhotes a seus insistentes cutucões.
Apesar do medo, no entanto, ela sabia que aquele era o momento. Sua missão estava prestes a se completar. Ela tinha apenas uma tarefa final a cumprir: empurrar os filhotes para fora do ninho.
Enquanto os filhotes não descobrirem suas asas, não haverá propósito para a vida. Enquanto eles não aprenderem a voar, não compreenderão o privilégio que é nascer águia.
A águia se encheu de coragem. E, um a um, ela os precipitou para o abismo, o coração aos saltos.
...e um de cada vez, todos eles voaram!
*   *   *
Às vezes, em nossas vidas, somos tomados pelo medo. O medo, até certo ponto, é uma reação natural ante o desconhecido e se expressa de variadas formas no cotidiano.
A expectativa por uma resposta que pode ser negativa, a espera de um acontecimento desagradável, a surpresa em uma situação que parece insustentável - tudo isso pode se fazer acompanhar de um receio natural, que se transforma em ansiedade controlada.
Mas, se esse receio aumenta em demasia, em decorrência de acontecimentos de pequena monta ou de meras expectativas, produzindo taquicardias, sudorese abundante, demonstram desequilíbrio psicológico.
E nessa fase, o organismo se torna suscetível à instalação de doenças, como problemas digestivos, úlceras, distúrbios cardíacos.
Procurando se libertar desse algoz que é o medo, o homem busca descobrir as causas, as raízes que o alimentam.
E logo descobre que o medo é fruto da insegurança gerada pela violência, pela fragilidade da vida física, receio de perder alguém querido, a presença invisível da morte.
No entanto, mais importante do que pensar e repensar as causas do medo é a atitude saudável, ante uma conduta existencial tranquila.
E, para isso, é imprescindível a confiança em Deus. Em Deus que criou a vida, cuja finalidade é o bem.
Confiando em Deus, que é o amor por excelência, o homem se equipa de valores ético-morais para enfrentar as enfermidades, os dissabores, os insucessos com coragem, eliminando o medo e vencendo a ansiedade.
*   *   *
O medo é sentimento que bloqueia as melhores disposições e impede as grandes conquistas. Se a águia se deixasse dominar pelo medo, não realizaria o ato de empurrar os filhotes para o abismo e eles não aprenderiam a voar.
Se os antigos navegadores tivessem se deixado vencer pelo medo, jamais teriam realizado as grandes descobertas.
Jesus jamais teve medo. Pensemos nEle e O busquemos, libertando-nos do medo e seguindo-O, realizando nossas conquistas pessoais, de forma serena.

Redação do Momento Espírita, com base no texto Uma águia chamada
circunstâncias, de autoria ignorada, no cap. 11, do livro Momentos de
felicidade e no cap. 14, do livro Momentos de iluminação, pelo Espírito
Joanna de Ângelis, psicografia de Divaldo Pereira Franco, ed. Leal.