quinta-feira, 8 de novembro de 2012

CONVITE AO EXAME

“Ponde tudo à prova, retende o que é bom.”
(1º Tessalonicenses: capítulo 5-21.)



A vida submete-te a cada instante a rigorosos exames, severas provas,
através de cujos resultados credencias-te a investimentos maiores e à
utilização de valores mais expressivos.
Nem sempre consegues discernir quando estás sob testes, tão sutis se
apresentam ou em currículo de aprendizagem, tão profundos e insondáveis são
os misteres da Lei Divina.
Justo que estejas vigilante, em atitude de cuidadoso comportamento.
O rio das oportunidades passa com suas águas sem que retornem nas
mesmas circunstâncias ou situação.
O milagre da hora azada não se repete como seria de desejar, impelindo o
homem ao salutar aproveitamento do instante.
Conveniente examinar, também, as ocorrências, as concessões, as lições
do caminho, de modo a retirar o que seja de bom, para aproveitamento que armazenarás
a benefício próprio.
Não impeças a informação de alguém interessado em auxiliar-te, mesmo
que isto te pareça desagradável. Todos temos algo a ensinar a outrem.
Não sejas aprioristicamente contra isto ou aquilo, antes de conhecer o
conteúdo. Sábio verdadeiramente, é todo aquele que consegue descobrir o
lado útil das pessoas e das coisas.
Não negues a atenção a um problema que te chega, embora a solução
possa esperar um pouco. A cada labor seu necessário cuidado.
Enquanto na Terra todos nos encontramos em reparos, reformas,
aprendizagens.
Examinar o que nos chega, como nos chega e penetrar na fonte do
conhecimento, para, conforme o Apóstolo Tarsense, reter o que é bom,
representa valiosa conquista que nos não cabe subestimar.
Jesus, não obstante a grandeza da Sua tarefa entre os homens, examinou
todos os problemas que lhe chegavam, apresentando soluções simples e carinhosas,
comparando e atendendo às solicitações diversas, perscrutando tudo
todos e tecendo a túnica nupcial do seu perene noivado com a Humanidade,
através das coisas mais insignificantes a que emprestava beleza e magnitude,
conseguindo, inclusive, transformar a cruz da desonra em símbolo de estoicismo
e nobreza, depois que transitou carregando-a e nela deixando-se
martirizar.