domingo, 4 de novembro de 2012

Irascibilidade

Tem cuidado com as tuas reações emocionais.
Vigia as nascentes do coração de onde nascem o bem e o mal
proceder, conforme acentua a narração evangélica.
Disciplina os teus impulsos e direciona bem os teus sentimentos,
a fim de que não venhas a tornar-te iracundo, gerando dificuldades
no meio em que vives.
Concede aos demais o direito de serem conforme o conseguem
e não de acordo com as tuas imposições, nem sempre devidas.
Considera que as tuas dificuldades não são diferentes daquelas
que aturdem outros corações e outros comportamentos.
Não tomes como medida de procedimento para o teu próximo
os teus atos, quase sempre arbitrários e tiranizantes. Da mesma
forma que não te permites dirigir por outrem, não pretendas impor-
te aos outros.
No Colégio Galileu, Judas apresentava-se sempre recalcitrante,
iracundo, solitário, e foi ele quem entregou Jesus aos Seus
inimigos, e ao dar-se conta do hediondo crime, atirou-se ao abismo
do suicídio, por lhe faltarem valores morais a fim de sofrer as
conseqüências da traição infamante.
Hitler, desconfiado e feroz, vitimado pela paixão hedonista
em torno de uma raça superior, conduziu a sociedade ao caos de
uma guerra sem precedentes na História e, covarde, ante os efeitos
danosos do seu desequilíbrio, também atirou-se ao fundo do poço
do suicídio nefasto.
João, o discípulo amado, pela sua afabilidade e doçura, compreensão
humana de todos os seres, não experimentou o holocaus
to, havendo vivido para testemunhar pelo amor a excelência da
doutrina do seu Mestre.
Mahatma Gandhi, pacifista e confiante em Deus, suportou
prisões e humilhações constantes, mas fiel aos objetivos da não
violência, libertou centenas de milhões de indianos e paquistaneses
das algemas da escravidão ao estrangeiro...
O progresso da humanidade dá-se através daqueles homens e
mulheres que se convertem em lições vivas de bondade e misericórdia,
de amor e compaixão, de trabalho e de dedicação aos
diversos misteres a que se entregam, impulsionando as demais
criaturas na direção da liberdade e da felicidade.
Nunca se impõem, antes são seguidos pelos exemplos de renúncia
e de serviço de que dão mostras, auto-superando-se em
demonstração viva da legitimidade dos postulados que abraçam.
Assim, tem cuidado! Ninguém tem o dever de suportar a tua
irascibilidade, que é condição inferior do teu caráter.
Estás reencarnado para superar os atavismos que te retêm na
retaguarda do processo evolutivo e não para os distenderes como
tenazes que excruciem os companheiros de marcha.
Aprende, pois, a ceder, a compreender, dando oportunidade a
todos e confiando nas bênçãos dos tempos que alteram as mais
vigorosas expressões do planeta, incluindo também os temperamentos
humanos.
O mundo está cansado de líderes carismáticos pela agressividade,
pela presunção, pelo despotismo.
As criaturas já não suportam aqueloutras que se gostam de
impor, de exigir e se auto-consideram melhores, mais valiosas,
superiores, quase indispensáveis...

 Estes são dias de renovação planetária, de mudanças de atitudes
perante os acontecimentos, de reconstrução social e de dignificação
coletiva.
Há muito desconforto aguardando amparo e muita aflição esperando
socorro e bondade.
Sejam as tuas palavras que dulcificam, acalmam e orientam.
Permanece em posição de amigo, de irmão, de exemplo.
O que não consigas em um momento lograrás mais tarde, se
continuares ajudando sem irascibilidade, o que se transformará
em dádiva feliz para ti mesmo, porquanto aquilo que é direcionado
ao próximo sempre retorna ao seio de quem o projetou.
Ama e acalma-te, preservando a paciência e vivendo em paz.
Pensamentos extraídos da mensagem Irascibilidade,
escrita em Frankfurt, Alemanha, no dia 13 de maio de 2001.

Joanna De Ângelis/Divaldo Franco