terça-feira, 1 de abril de 2014

Palavras de um filho que não nasceu

Minha mãe, por que a senhora não me deixou nascer? Eu queria tanto, mãezinha!
Lutei, trabalhei, pedi a Deus e consegui autorização para renascer. E a senhora comprometeu-se comigo. Comigo e com Deus.
Eu desejava um novo corpo. Planejava um futuro de luz. Na verdade, minha vida estaria marcada por provas e testemunhos redentores.
Mas eu me preparei, confiante no seu amor! E, no momento em que eu mais necessitei, a senhora me rejeitou!
Por que, mãezinha? Por quê?
Quando a senhora me sentiu no santuário de seu ventre, mudou de conduta, de comportamento. E começou a me torturar. Seus pensamentos de revolta, que ninguém ouvia, retumbavam em meus ouvidos, como gritos lancinantes, que me afligiam muito.
Os cigarros que a senhora fumava, muitas vezes, me intoxicavam. Seu nervosismo, fruto da sua insatisfação, eram para mim verdadeiras chibatadas.
Quando decidiu me abortar, aconteceu uma coisa interessante: a senhora querendo me expulsar de seu ventre e eu, lutando, para nele permanecer.
Por que a senhora fechou os ouvidos à voz da consciência que lhe pedia compaixão e serenidade?
Por que anestesiou os sentimentos, a ponto de esquecer que eu trazia um universo de bênçãos e alegrias para você?
Seria o filho obediente e amoroso. Trazia recursos que lhe facilitariam a existência, nos últimos anos de sua presença na Terra.
Mas a senhora não quis. E veja a consequência: eu, atormentado por não renascer. A senhora, doente, triste, intranquila. Sua mente, atormentada pela aflição e os seus sonhos, povoados de pesadelos.
Por que mãezinha, a senhora não me deixou nascer?
Ainda é cedo, pensava. Quero gozar a vida, passear, divertir-me, viajar. Filhos, só depois.
Mas filho algum chega em momento inadequado. As leis da vida são sábias, e ninguém nasce por acaso.
Contudo, pelo muito amor que lhe tenho, estou pedindo a Deus misericórdia em seu favor. Peço a Deus que a senhora alcance a bênção do reequilíbrio, a fim de que, num futuro próximo, estejamos juntos. Eu, em seu ventre, e a senhora, como sempre, em meu coração.
Eu, me alimentando na fonte de sua vitalidade e a senhora fortalecendo-se, na gratidão de meus mais puros sentimentos. Mãezinha, por favor, não repita seu ato irrefletido.
Quando sentir de novo alguém batendo às portas do seu coração, sou eu, o filho renegado, que voltou para viver e ajudá-la a ser feliz.
Mãezinha, não se esqueça de mim. Não me abandone. Não me expulse. Não me mate de novo. Preciso renascer.
*   *   *
O filho que te chega e solicita abrigo ao teu sentimento é sempre uma bênção de Deus.
Pode ser o portador de grandes problemas do passado, desejando retornar para os acertos no hoje. Pode ser alguém que te feriu e deseja retornar a fim de, nos multiplicados afagos de carinho, solicitar-te perdão.
Pode ser o amor que tanto esperas, retornando ao teu regaço, para amenizar a grande carência da tua afetividade.
Antes de optar pela morte de quem se aninhou em teu ventre, pensa bem. É teu filho e de ti espera proteção, amparo, vida!
Redação do Momento Espírita, a partir de mensagem
do Grupo Espírita Fabiano, Rio de Janeiro/RJ.