terça-feira, 18 de outubro de 2011

DA SEGURANÇA ÍNTIMA

Ora, quem é que vos há de maltratar se
fordes zelosos do que é bom?
– Pedro. (I Pedro, 3:13.)
Se te fazes modesto sem a preocupação de exibir humildade. . .
Se executas as próprias obrigações sem invadir a seara alheia. . .
Se auxilias sem pedir retribuição. . .
Se retificas teu erro sem culpar os outros de participação na falta que te é própria. . .
Se colaboras no levantamento do bem sem exigir o concurso alheio. . .
Se te desincumbes das responsabilidades pessoais sem reprovar a conduta do próximo...
Se sofres com paciência, sem reclamar que os semelhantes te partilhem os obstáculos. . .
Se toleras serenamente aqueles que te combatem, sem desconhecer-lhes as qualidades
nobres. . .
Se carregas a cruz do aprimoramento próprio sem querer amarrá-la aos ombros dos
companheiros. . .
Se cumpres com o teu dever e não aspiras a outro prêmio que não seja a consciência
tranqüila. ..
Quem te poderá fazer mal, se procuras somente o bem? Pensa nisso, atendendo a isso, e
verificarás que a segurança íntima reside em ti mesmo, qual acontece à paz da alma, que
vem a ser patrimônio de cada um.