quarta-feira, 17 de outubro de 2012

NECESSIDADE DE OBJETIVO

A busca de um sentido existencial por parte do ser humano constitui-lhe
uma força inata impulsionadora para o seu progresso. Ao identificá-lo, torna-selhe
o objetivo básico a ser conquistado, empenhando todos os recursos para a
consecução da meta.
Graças a isso, que podem ser os seus ideais, as suas necessidades, as
suas ambições, oferece a vida e não teme a morte, conseguindo, inclusive,
permanecer sob as mais miseráveis e inumanas condições, desde que essa
chama permaneça acesa interiormente.
Trata-se de um sentido pessoal que ninguém pode oferecer, e que é
particular a cada qual. Torna-se, de futuro, um ideal de grupo, em razão de
constituir interesse coletivo, porém a sua origem se encontra no nível de
consciência e de pensamento individual, que elegem o que fazer e como fazêlo.
Não pode ser elegido por outrem ou brindado, senão conseguido pelo
próprio ser.
Possivelmente será proposto quando se é despertado para o interesse,
chamando-lhe a atenção, mas a sua eleição é pessoal.
Jesus, ante a transitoriedade dos valores terrestres e a fugacidade do
corpo, propôs a busca do reino de Deus e Sua justiça, elucidando que, após
esta primazia tudo mais será acrescentado. Isto é, estabelecendo o mais
importante — o sentido, o objetivo existencial —as demais aspirações se
tornam secundárias e chegarão naturalmente.
Esse reino de Deus encontra-se na consciência tranqüila, que resulta do
dever retamente cumprido, dos compromissos bem conduzidos, dos objetivos
delineados com acerto. Graças a essa diretriz, a aquisição dos recursos faz-se
com naturalidade, como um acréscimo, que é a conseqüência básica.
Todos necessitam de um algo para motivar-se, para viver.
Essa busca de significado, de objetivo ou sentido não pode ser resultado
de uma fé ancestral, isto é, de uma crença destituída de fatos, que se dilui ante
dificuldades, principalmente os conflitos internos, mas da luz da razão que se
transforma em vontade de conseguir uma vida mais expressiva, mais rica de
conteúdo, de aspirações profundas e autênticas.
Um afeto familiar, um ideal em desenvolvimento, o lar, uma atividade
dignificadora, o retorno a um serviço interrompido tornam-se, entre muitos
outros, objefivos que dão sentido à vida, favorecendo meios para se lutar.
Sustentaram incontáveis encarcerados nos campos de trabalho forçado e
de extermínio, mesmo quando exauridos, e nada mais lhes restava, sempre
aguardando ser o próximo a morrer... Ainda vitalizam milhões outros que se
encontram em situações inumanas, vítimas de homens e mulheres arbitrários,
de sistemas injustos, de situações penosas.
Certamente, o oposto também dá sentido — infeliz é certo — a outras
existências: o ódio, o ressentimento, a ânsia de poder, tornando as suas
trajetórias adrede fanadas, porque os mesmos são máscaras do ego ferido,
que não se tornam razões de paz, antes se fazem contínuo tormento.
Quando se tem o porquê viver, a forma de como viver até lograr o objetivo
torna-se secundária. Esse impulso primário no ser, faz que supere os
obstáculos e impedimentos com o pensamento no que conseguirá.
Alguns psicoterapeutas afirmam que os princípios morais, que lhes
parecem metafísicos, nada têm a ver com o sentido ou significado existencial.
E se olvidam de todos quantos lhes entregaram as vidas, plenificando-se
saudavelmente. Informam, ademais, que esse sentido resulta daquilo que pode
enfrentar a existência, não nascendo com ela.
Somos de parecer que o sentido, o objetivo, o essencial, é a autosuperação
das paixões, a auto-iluminação para bem discernir o que se deve e
se pode fazer, para harmonizar-se em si mesmo, em relação ao seu próximo e
ao grupo social no qual se encontra, bem como à Vida, à Natureza, Deus...
Os princípios morais — alguns inatos ao ser humano — são
indispensáveis. Não porém as imposições morais-sociais, geográficas,
estabelecidas legalmente e logo desacreditadas. Mas aqueles que são
inerentes, derivados do mais profundo e básico, que é o amor. Respeitar a
vida, amando-a; fomentar o progresso, trabalhando; construir a felicidade,
perseverando; não fazer a outrem o que não deseja que o mesmo lhe faça,
eliminam a possibilidade de consciência de culpa, de conflito, e dão-lhe um
padrão para o comportamento equilibrado, uma diretriz para a conduta sadia.
O ser atua moralmente, porque sente o impulso interno da vida que se
submete às Leis que a regem.
Essa força interior que o leva à prática dos atos corretos, o Bem, no início,
é metafísica, pois procede do Psiquismo Causal, para depois tornar-se uma
necessidade transformada em ações, portanto nos fatos que lhe confirmam a
excelência.
Quando escasseiam esses princípios na mente e na emoção, o indivíduo,
desestruturado, enferma e a mais eficaz solução é o amorterapia,
impulsionando-o a permitir que desabrochem os sentimentos de fraternidade,
de solidariedade, de perdão, de auto-entrega, assim aparecendo significados
para continuar-se a viver.
Muitos aposentados e idosos, depressivos diversos, que se neurotizaram,
recuperam-se através do serviço ao próximo, da autodoação à comunidade, do
labor em grupo, sem interesse pecuniário, reinventando razões e motivos para
serem úteis, assim rompendo o refúgio sombrio da perda do sentido
existencial.
Sem meta não se vive, obedece-se aos automatismos fisiológicos em
perigoso crepúsculo psicológico, a um passo do suicídio.
Quando o ser se percebe atuante, produtivo, necessário, vibra e produz.
Todo e qualquer contributo psicoterapêutico, logoterapêutico, há de considerar
a autovalorização do paciente.
Jesus sintetizou-o, na resposta com que concluiu o diálogo com o
sacerdote que o interrogara a respeito do reino dos céus: — Vai tu e faze o
mesmo.