segunda-feira, 8 de outubro de 2012

O SER E O TER NA ADOLESCENCIA

A princípio, no conflito que surge com a adolescência, o jovem não se
preocupa, normalmente, com a posse nem com a realização interior, face aos
apelos externos que o convocam à tomada de conhecimento de tudo quanto o
cerca.
Vivendo antes em um mundo especial, cujas fronteiras não iam além dos
limites do lar e da família, no máximo da escola, rompem-se, agora, as
barreiras que o detinham, e surge um campo imenso, ora fascinante, ora
assustador, que ele deve conhecer e conquistar, a fim de situar-se no contexto
de uma sociedade que se lhe apresenta estranha, caprichosa, assinalada por
costumes e atitudes que o surpreendem. Os seus pensamentos primeiros são
de submeter tudo a uma nova ordem, na qual ele se sinta realizado e
dominador, alçado à categoria de líder reformista, que altere a paisagem
vigente e dê-lhe novos contornos. Lentamente, à medida que se vai adaptando
aos fatores predominantes, percebe que não é tão fácil operar as mudanças
que pretendia impor aos outros, e ajusta-se ao “modus operandi” existente ou
contribui para as necessárias e oportunas alterações por que passam os
diferentes períodos da cultura e do comportamento humano.
Observando que a sociedade contemporânea se baseia muito no poder e
no ter, predominando os valores amoedados e as posições de destaque, em
uma competitividade cruel e desumana, é tomado pela ânsia de amealhar
recursos para triunfar e programar o futuro de ordem material. Não lhe ocorrem
as necessidades espirituais, as de natureza ético-moral, porque tudo lhe
parece um confronto de oportunidades e de poderes que entram em choque,
até que haja predominância do mais forte. Por outro lado, dá-se conta da
rapidez com que passa o carro do triunfo e procura fruir ao máximo, imediatamente,
toda a cota possível de prazer e de destaque, receando o futuro, face
ao exemplo daqueles que ontem estavam no ápice e agora, após o tombo
produzido pela realidade, encontram-se esquecidos, perseguidos ou
desprezados.
Somente alguns adolescentes, mais amadurecidos psicologicamente, que
procedem de lares equilibrados e saudáveis, despertam para a aquisição dos
valores íntimos, da conquista do conhecimento, dos títulos universitários com
os quais esperam abrir as portas da vitória mais tarde. Assim, empenham-se
na busca dos tesouros do saber, das experiências evolutivas, das realizações
de crescimento íntimo, lutando com denodo em favor do auto-aprimoramento e
da auto-afirmação, no mundo de contrastes e desaires. Nesses jovens, o ser
tem um grande significado, porque faz desabrochar os requisitos íntimos que
estão dormindo e aguardam ser convocados para aplicação e vivencia.
Nesse sentido, não se faz necessário ser superdotado. É mesmo comum
encontrar jovens com menos elevado QI, que conseguem, pela perseverança,
pelo exercício, a vitória sobre os impedimentos ao seu progresso, enquanto
outros mais bem aquinhoados deixam-se vencer pelos desajustes, sem o
empenho de superar as dificuldades. Porque reconhecem as facilidades de
aprendizagem, menosprezam o esforço que deve acompanhar todo trabalho de
aquisição de cultura ou qualquer outro recurso evolutivo, perdendo as
excelentes oportunidades que deparam, não vencendo a barreira do desafio
para o crescimento.
Permanecem com o patrimônio intelectual sem o conveniente
desenvolvimento ou, quando o realizam, derrapam para a delinqüência,
aplicando os tesouros da mente na ação equivocada dos triunfos de mentira.
O esforço para ter surge com as motivações de crescimento intelectual e
compreensão das necessidades humanas em favor da sobrevivência, da
construção da família, da distinção social, das esperanças de fruir gozos
naturais em forma de férias e recreações, de jogos e prazeres, projetando as
expectativas para a velhice, que esperam conseguir tranqüila e confortável. O
ter, passa a significar o esforço pelo conseguir, pelo amealhar, reunindo
moedas e títulos que facilitem a movimentação pelas diferentes áreas do
relacionamento humano. Essa ambição, perfeitamente justa e compreensível,
de natureza previdenciária e lógica, pode tornar-se, no entanto, o objetivo único
da existência, levando ao desespero e à insatisfação, porque a posse apenas
libera de preocupações específicas, mas não harmoniza o ser interiormente.
Não poucas vezes, o possuir faz-se acompanhar do medo de perder, gerando
receios injustificáveis e neurotizantes. O verdadeiro amadurecimento
psicológico do ser propicia-lhe visão otimista da vida, auxiliando-o a ter sem ser
possuído, em desfrutar sem escravizar-se, em dispor hoje e buscar amanhã,
não lhe constituindo motivo de aflição o receio da perda, da pobreza, porque
reconhece que tudo transita, indo e voltando, raramente permanecendo por
tempo indeterminado, já que a vida física é igualmente transitória, instável.
A verdadeira sabedoria ensina que se pode ter, sem deixar de lado o
esforço por ser auto-suficiente, equilibrado, possuidor não possuído,
identificado com os objetivos essenciais da experiência carnal, que são a
imortalidade, o progresso, o desenvolvimento de si mesmo com vistas à sua
libertação da carne, o que ocorrerá, sem qualquer dúvida, e, no momento
próprio, ao encontrar-se equipado de recursos para a harmonia. Os padrões do
capitalismo sempre impõem ter mais, enquanto que os do comunismo expõem
suprir as necessidades básicas sob a regência do Estado, que é sempre
impiedoso e sem sentimento, porque tem um caráter empresarial e nunca um
sentido de humanidade. O jovem, ainda indeciso nas atitudes a tomar, não se
dá conta do significado de ser lúcido e feliz, tendo ou deixando de ter, livre para
aspirar o que melhor lhe apraz e realizar-se interiormente, desfrutando dos
bens da vida sem escravidão, sem alucinação.
Quando o indivíduo é mais ele mesmo, identificado com a sua realidade
espiritual, consome menos, vive melhor, cresce e amadurece mais, superando
os desafios com otimismo e produzindo sempre com os olhos postos no futuro.
Para esse cometimento, é necessário que, desde cedo, na adolescência, seja
elaborada uma escala de valores, a fim de definir quais os de importância e os
secundários, de tal modo que a sua seja uma proposta de vida realizadora e
eficiente.
Quando deseja ter mais e se afadiga por conseguir sempre os lucros de
todos os empreendimentos, a sua é uma existência frustrada, ansiosa, sem
justificativa, porque a sede de possuir atormenta-o e deixa-o sempre
insatisfeito, porque vê aqueloutros que lhe estão à frente e lhe fazem sombra
na realização como criatura triunfadora no mundo. Essa ambição igualmente
tem início na juventude por falta de direcionamento espiritual e emocional,
tornando o adolescente um ser fisiológico, imediatista, e não uma criatura em
desenvolvimento para as altas construções da humanidade.
O jovem, que deseja ser, desenvolve a sua inteligência emocional,
aprendendo a identificar os sentimentos das demais pessoas, a dominar os
impulsos perturbadores e insensatos, a manter controle sobre as emoções
desordenadas, a ter serenidade para enfrentar relacionamentos tumultuados e
difíceis, preservando a própria identidade.
Essa inteligência emocional depende da constituição do seu cérebro, que
se modelou e se equipou de recursos compatíveis com as necessidades de
evolução em razão dos seus atos em reencarnações passadas, mas que pode
alterar para melhor sempre que o deseje e insista na cultura dos valores éticomorais.
É necessário ter recursos para uma existência digna, porém é
indispensável ser sóbrio e equilibrado, nobre e empreendedor, conhecendo-se
interiormente e trabalhando-se sempre, a fim de se tornar um adulto sadio e um
idoso sábio.