sábado, 23 de julho de 2011

DA ESPERANÇA POR CINCO DIAS

Hilário Silva
Mais de seis lustros passaram.
Francisco Teodoro, o industrial suicida, experimentava pavorosos suplícios nas
trevas...
Defrontado por crise financeira esmagadora, havia aniquilado a existência.
Tivera vida próspera. À custa de ingente esforço, construíra uma fábrica.
Importando fios, conseguira tecer casimiras notáveis. E o trabalho se desdobrava,
promissor. Operários e máquinas eficientes, armazéns e lucros firmes.
Surgira, porém, a retração dos negócios.
Humilhavam-no cobranças e advertências, a lhe invadirem a casa. Frases
vexatórias espancavam-lhe os ouvidos.
- Coronel Francisco, trago-lhe as promissórias vencidas.
Sr. Francisco, nossa firma não pode esperar.
O capitão do serviço pedia mais tempo; apresentava desculpas; falava de novas
esperanças e comentava as dificuldades de todos.
Meses passaram pesadamente.
Cartas vinagrosas chegavam-lhe à caixa postal.
Devia aos credores diversos o montante de oitocentos contos de réis. A
produção, abundante, descansava no depósito, sem compradores.
Procurava consolo na fé religiosa.
Por toda parte, lia e ouvia referências à Divina Bondade. Deus não desampara
as criaturas – pensava. Ainda assim, tentava a oração, sem abandonar a tensão.
E porque alguém o ameaçava de escândalos na imprensa, com protestos
públicos, em que seria indicado por negociante desonesto, escreveu pequena carta,
anunciando-se insolvável, e disparou um tiro no crânio.
Com imenso pesar, descobriu que a vida continuava, carregando, em zonas
sombrias de purgação, a cabeça em frangalhos...
Palavra alguma na Terra conseguiria descrever-lhe o martírio. Sentia-se um
louco encarcerado na gaiola do sofrimento. Depois de trinta anos, pode recuperar-se,
internando-se em casa de reajuste, reavendo afeições e reconhecendo amigos...
E agora que retornava à cidade que lhe fora ribalta ao desespero, notava,
surpreendido, o progresso enorme da fábrica que lhe saíra das mãos.
Embora invisível aos olhos físicos dos velhos companheiros de luta, abraçou,
chorando de alegria, os filhos e os netos reunidos no trabalho vitorioso.
E após reconhecer o seu próprio retrato, reverenciado pelos descendentes no
grande escritório, veio a saber que acontecimento importante sucedera cinco dias depois
dos funerais em que a família lhe pranteara o gesto terrível.
À face de alteração na balança comercial do País, ante a grande guerra de
1.914, o estoque de casimiras, que acumulara zelosamente, produziu importância que
superou de muito a quatro mil conto de reis.
Mostrando melancólico sorriso, o visitante espiritual compreendeu, então, que a
Bondade de Deus não falhara.
Ele apenas não soubera esperar....
53
-*-
Esperança – doce alento
De quem serve, ama e confia,
Escora no sofrimento,
Pão nosso de cada dia.
Oscar Batista
-*-
Se sofres dores crescentes,
Não esmoreças na estrada.
Quando chega a meia-noite,
È hora da madrugada.
Lauro Pinheiro
-*-
Diante da noite, não acuse as trevas. Aprenda a fazer lume.
André Luiz