sábado, 23 de julho de 2011

DA MORTE : O TEMOR DA MORTE

Irmão X
- Doutor, a sua competência é a nossa esperança. O senhor já operou Paulínia
por duas vezes...
Narciso Meireles pedia o concurso do Dr. Sales Neto, distinto médico espírita,
para a mulher que experimentava parto difícil, em vilarejo distante.
- Por que deixaram ficar assim, tão longe? – disse o médico, procurando
esquivar-se.
- A crise apareceu de surpresa... O senhor prefere o avião? Dez minutos
apenas...
- Nada disso. Perdi dois amigos de uma só vez na semana passada. Nada de
vôo....
- Um carro?
- A estrada é péssima. Não soube do desastre havido anteontem?
- Um cavalo, doutor? Arranjo-lhe um cavalo...
- Era o que faltava! Não posso expor-me assim...
- Que sugere? – roga o marido desapontado.
- Se quiserem – disse o médico -, tragam a parturiente aqui, como julgarem
melhor... De minha parte, não me arrisco...
Em face da evidente má-vontade do facultativo, o esposo aflito aquiesceu e
partiu a galope, em busca do teco-teco.
No outro dia, porém, quando a senhora Meireles chegou, abatida, na
expectativa da intervenção, a residência do operador estava cheia de gente.
O Dr. Sales Neto, naquela noite, havia morrido, no próprio leito, em
conseqüência de uma trombose...
Todo o espírito encarnado
É um viajor em caminho...
Sonha, sofre,luta e segue,
Morrendo devagarinho...
Jovino Guedes
A morte não provocada
É benção que Deus envia,
Lembrando noite estrelada
Quando chega o fim do dia
Roberto Correia
A morte de um homem começa no instante em que ele desiste de aprender.
Mariano José Pereira da Fonseca