quarta-feira, 26 de outubro de 2011

VÓS, ENTRETANTO

“Mas nós, que somos fortes, devemos suportar as fraquezas dos fracos,
e não agradar a nós mesmos.” — Paulo. (ROMANOS, CAPÍTULO 15,
VERSÍCULO
Com que objetivo adquire o homem a noção justa da confiança em Deus?
Para furtar-se à luta e viver aguardando o céu?
Semelhante atitude não seria compreensível.
O discípulo alcança a luz do conhecimento, a fim de aplicá-la ao próprio
caminho. Concedeu-lhe Jesus um traço do Céu para que o desenvolva e
estenda através da terra em que pisa.
Receber o sagrado auxílio do Mestre e subtrair-se-lhe à oficina de
redenção é testemunhar ignorância extrema.
Dar-se a Cristo é trabalhar pelo estabelecimento de seu reino.
Os templos terrestres, por ausência de compreensão da verdade,
permanecem repletos de almas paralíticas, que desertaram do serviço por
anseio de bem-aventurança. Isto pode entender-se nas criaturas que ainda não
adquiriram o necessário senso da realidade, mas vós, os que já sois fortes no
conhecimento, não deveis repousar na indiferença ante os impositivos
sagrados da luz acesa, pela infinita bondade do Cristo, em vosso mundo
íntimo. É imprescindível tome cada um os seus instrumentos de trabalho, na
tarefa que lhe cabe, agindo pela vitória do bem, no círculo de pessoas e
atividades que o cercam.
Muitos espíritos doentes, nas falsas preocupações e na ociosidade do
mundo, poderão alegar ignorância. Vós, entretanto, não sois fracos, nem
pobres da misericórdia do Senhor.