quinta-feira, 22 de dezembro de 2011

Um Aprendizado do Amor

Mestre Divino!
Neste teu Natal, redemos gratidão e apreço ante a estrada libertadora que teu Evangelho nos proporciona.

A avalanche de dor e de aflições que campeia à nossa volta nos faz meditar o quanto somos insensíveis, inaptos e limitados diante de tuas lições de amor. Confessamo-nos frágeis e vulneráveis, no entanto sabemos que teus ensinos são o alimento e a força que nos ensejam bom ânimo e disposição nas tarefas de renovação e crescimento espiritual de que tanto necessitamos.

Identificamos nossa falta de entendimento e pobreza espiritual em face da grandeza de tuas palavras – fonte inesgotável de suprimento amoroso.

Senhor Jesus!

Neste teu natalício, precisamos mais tempo à reflexão e analisar mais profundamente teus preceitos sobre o amor, para percebermos a diferença entre o “amor real” e o “romantismo infantilizado” que criamos em torno de um suposto sentimento de afeto, construção ingênua onde impera a fantasia do par amoroso, em que duas pessoas se completam, nada mais lhes faltando.

As criaturas que dão excessivo valor às formas e às aparências dificilmente amam com intensidade. Existe uma proporção inversa na mente ardente e insaciável: quanto mais desejos satisfeitos, menos satisfação surgirá no coração, porque incessantemente aparecerão outros desejos solicitantes.

A crença de que “não há nada mais fácil do que amar” tem sido nosso grande equívoco a respeito do amor. Mesmo que as evidências provem o contrário, a grande maioria continua cultivando essa crença inadequada, sem compreender que amar exige dedicação, aprendizagem e análise reflexiva com as pessoas com as quais cultiva trato de afeto. A propósito, estamos vivendo neste planeta com uma principal finalidade: o aprendizado do amor.

Amigo excelso!

Vemos a problemática do amor na Terra, sobretudo como uma “necessidade de ser amado”, em vez da “necessidade de aprender a amar”. Nascemos com a capacidade de amar, mas ainda não possuímos a habilidade amorosa.

Fortalece em nós, Senhor, os propósitos de seguir-te os passos pelas veredas da vida plena e sustenta nossas almas na realização das obras interiores, para que consigamos edificar em definitivo o reino dos céus em nossa intimidade.

Permite-nos regozijarmo-nos pelas bênçãos de estar contigo neste teu aniversário, na alegria de refletir e de aprender cada vez mais o teu maior mandamento: “Amarás o Senhor teu Deus de todo o teu coração, de toda a tua alma e de tudo o teu espírito, e amarás o teu próximo como a ti mesmo.” Mateus, 22:37



Hammed

Por: Francisco do Espírito Santo Neto

 Livro: Lucidez - A Luz que Acende na Alma