segunda-feira, 4 de junho de 2012

É o mesmo Pai...

                            “Pois o mesmo Pai vos ama.” - Jesus. (João, cap. 16, vs. 27





Ninguém despreze os valores da confiança.
Servo algum fuja ao benefício da cooperação.
Quem hoje pode dar algo de útil, precisará possivelmente amanhã de alguma colaboração essencial.
Todavia, por enriquecer-se alguém de fraternidade e fé, não olvide a necessidade do desenvolvimento infinito no bem.
Os obreiros sinceros do Evangelho devem operar contra o favoritismo pernicioso.
A lavoura divina não possui privilegiados.
Em suas seções numerosas, há trabalhadores mais devotados e mais fiéis; contudo, esses não devem ser categorizados à conta de fetiches e, sim, respeitados e imitados por símbolos de lealdade e serviço.
Criar ídolos humanos é pior que levantar estátuas destinadas à adoração. O mármore é impassível mas o companheiro é nosso próximo de cuja condição ninguém deveria abusar.
Pague cada homem o tributo de esforço próprio à vida.
O Supremo Senhor espera de nós apenas isto, a fim de converter-nos em colaboradores diretos.
O próprio Cristo afirmou que o mesmo Pai que o distingue ama igualmente a Humanidade.
O Deus que inspira o médico é o que ampara o doente.
Não importa que asiáticos e europeus o designem sob nomes diferentes.
Invariavelmente é o mesmo Pai.
Conservemos, pois, a luz da consolação, a bênção do concurso fraterno, a confiança em nossos Maiores e a certeza na proteção deles; contudo, não olvidemos o dever natural de seguir para o Alto, utilizando os próprios pés.
EMMANUEL
(Do livro "Pão Nosso", 150, FCXavier, FEB)
O PÁSSARO DOURADO
Conta-se que Ramsés II possuía enorme coleção de pássaros treinados para comunicação, aves semelhantes aos pombos-correio da atualidade.
Depois de algum tempo em que os mensageiros alados desempenhavam serviços de intercâmbio, com segurança e eficiência, a magnanimidade real deliberou honorificar seis deles, que se revelavam mais corajosos e fiéis.
Atendendo a isso, o grande Sesostris colocou a homenagem, entre os diversos números de festa popular.
A condecoração constaria de um leve revestimento de ouro para cada um.
No dia marcado, conquanto sob severa contenção, cinco dos pássaros em destaque escaparam céus afora.
Apenas um deles ficou retido nas mãos de alto funcionário, ante a real presença.
O faraó aproximou-se com carinho e borrifou-lhe o corpo, especialmente as asas, com finíssima poeira de ouro puro, sob os aplausos da multidão.
O pássaro condecorado, entretanto, embora liberto, permaneceu em vasta mesa do palácio, a contorcer-se, qual se quisesse desfazer-se do precioso brinde, sempre reverenciado por todos, no entanto, nunca mais conseguiu voar.
Emmanuel
(Do livro “Agora É O Tempo”, Francisco Cândido Xavier, IDEAL)

Realização:
Instituto André Luiz
http://www.institutoandreluiz.org/ 

Gráficos e Formatação - Lori