sábado, 16 de junho de 2012

A GRANDE INSTRUTORA

Benemérita instrutora existe, cuja visitação sempre recebemos com
alarme e às vezes com reclamações infindáveis.
Orienta sem gritaria e ampara sem violência.
Semelhante mentora palmilha todas as estradas humanas e chama-se
“enfermidade”.
Nesta afirmativa não há lirismo simbólico.
Desejamos apenas considerar que a doença é a correção provocada
por nossos próprios desequilíbrios, agora ou no passado, atuando, a fim de
que não venhamos a cair em maiores padecimentos na esteira do tempo.
Por isso mesmo, vale receber-lhe a presença com respeito,
moderação e bom ânimo.
Se a dor te não impede a movimentação orgânica, persevera com o
trabalho, sem desprezá-lo, embora não possas atender a todos deveres na
feição integral, e não olvides que enquanto o corpo é suscetível de ação
própria, o serviço é o melhor reconstituinte para as deficiências da vida física
e o melhor sedativo para os aborrecimentos morais.
Se a enfermidade age nas células que permanecem a teu serviço,
confia-te pensamento reto.
Nunca te entregues à revolta, ao desalento ou à indisciplina.
Esse trio de sombras te encarceraria em maiores conflitos mentais.
A mente insubmissa ou desesperada não poderá governar o cosmo
vital a que se ajusta, agravando os seus próprios problemas.
Ergue-te, em espírito, na intimidade do coração, trabalha sempre e
não percas o sorriso de confiança.
Cada dia é nova folha do livro infinito da vida e a proteção do Senhor
não nos abandona.
Se tens o corpo atado ao leito, incapaz de mobilizar as próprias
energias a benefício de ti mesmo recorda que, por vezes, a lição da
enfermidade deve ser mais longa, a favor de nossa grande libertação no
futuro.
Toda perturbação guarda origens profundas na alma e se o veículo
físico passará sempre, à feição de veste corruptível, o espírito é o herdeiro
da vida imortal.
Indispensável pensar nisso para que a serenidade nos dignifique nas
horas de crise, porquanto representam grande apoio para nós mesmo a
calma e a coragem que espalhamos naqueles que nos cercam.
O doente inconformado é um centro de sombrios pensamentos,
ligados à discórdia, à rebelião e ao desânimo.
A enfermidade exerce a função de mestre precioso.
Faze silêncio em ti e ouve-lhe os avisos ligeiros ou as advertências
profundas.
E ainda que te encontres à frente da morte, lembra-te do Amigo
Divino que demandou a ressurreição através do leito erguido na cruz,
usando o infinito amor e a extrema renúncia, no próprio sacrifício, para
sanar as dores da Humanidade.
Livro: Visão Nova - Francisco Cândido Xavier - Autores Diversos