domingo, 10 de junho de 2012

A IDÉIA

Na fase terminal de nossa reunião de 27 de outubro de 1955, fomos honrados com a palavra
do nosso benfeitor Emmanuel, que nos transmitiu a preciosa alocução, abaixo transcrita.
Meus amigos:
A idéia é um elemento vivo de curta ou longa duração que exteriorizamos de nossa alma
e que, exprimindo criação nossa, forma acontecimentos e realizações, atitudes e circunstâncias
que nos ajudam ou desajudam, conforme a natureza que lhe venhamos a imprimir.
Força atuante – opera em nosso caminho, enquanto lhe asseguramos o movimento.
Raio criador – estabelece atos e fatos, em nosso campo de ação, enquanto lhe garantimos
o impulso.
Expressa flor ou espinho, pão ou pedra, asa ou algema, que arremessamos na mente alheia
e que retornarão, inevitavelmente, até nós, trazendo-nos perfume ou chaga, suplício ou
alimento, cadeia ou liberdade.
O crime é uma idéia-flagelação que não encontrou resistência.
A guerra de ofensiva é um conjunto de idéias-perversidade, senhoreando milhares de
consciências.
O bem é uma idéia-luz, descerrando à vida caminhos de elevação.
A paz coletiva é uma coleção de idéias-entendimento, promovendo o progresso geral.
É por essa razão que o Evangelho representa uma glorificada equipe de idéias de amor
puro e fé transformadora, que Jesus trouxe à esfera dos homens, erguendo-os para o Reino
Divino.
Na manjedoura, implanta o Mestre a idéia da humildade.
Na carpintaria nazarena, traça a idéia do trabalho.
Nas bodas de Caná, anuncia a idéia do auxílio desinteressado à felicidade do próximo.
No socorro aos doentes, cria a idéia da solidariedade.
No sermão das bem-aventuranças, plasma a idéia de exaltação dos valores imperecíveis
do espírito sobre a exaltação passageira da carne.
No Tabor, revela a idéia da sublimação.
No jardim das Oliveiras, insculpe a idéia da suprema lealdade a Deus.
Na cruz da renunciação e da morte, irradia a idéia do sacrifício pessoal pelo bem dos
outros, como bênção de ressurreição para a imortalidade vitoriosa.
Nos mínimos lances do apostolado de Jesus, vemo-lo associando verbo e ação no lançamento
das idéias renovadoras com que veio redimir o mundo.
E é por isso que, em nossas tarefas habituais, precisamos selecionar em nossas manifestações
as idéias que nos possam garantir saúde e tranqüilidade, melhoria e ascensão.
Não nos esqueçamos de que nossos exemplos, nossas maneiras, nossos gestos e o tipo
de palavras que cunhamos para uso de nossa boca, geram idéias, que, à maneira de ondas criadoras,
vão e vêm, partindo de nós para os outros e voltando dos outros para nós, com a qualidade
de sentimento e pensamento que lhes infundimos, levantando-nos para o triunfo, ou
impulsionando-nos para a derrota.

Evitemos o calão, a queixa, a irritação, o apontamento insensato, a gíria deprimente e a
frase pejorativa, não apenas em nosso santuário de preces, mas em nosso intercâmbio vulgar,
porque toda expressão conduz à inspiração e pagaremos alto preço pela autoria indireta do
mal.
Somos hoje responsáveis pela idéia do Senhor no círculo de luta em que nos situamos.
E é indispensável viver à procura do Cristo, para que a idéia do Cristo viva em nós.