terça-feira, 12 de junho de 2012

TEU TIJOLO DE AMOR

 Emmanuel
És uma parcela do Infinito Amor, no rumo da Perfeição Infinita, e o primeiro sinal de que reconheces a excelsitude do teu destino é o esquecimento de ti mesmo, a benefício dos outros.
 Por mais áspero seja o caminho, segue, pois amando e servindo.
 Não enumeres sacrifícios, nem contes dificuldades.
 A glória da vida é a doação permanente.
 A estrela te envia luz, varando os empeços da sombra, e a raiz da planta que te estende a bênção do fruto é constrangida a morar no limo do solo, a fim de sobreviver.
Não faltes ao amor que nunca te fala.
 O objetivo fundamental de nossa presença, em qualquer estância do Universo, é o serviço que possamos prestar.
 Paixões e ilusões que nos conturbem as horas, e mágoas ou provas que nos calcinem os sentimentos, afiguram-se convulsões necessárias no mundo de nossa alma em transformação e burilamento.
 Pairando muito além de semelhantes calamidades, permanece imperecível o bem que distribuíste, como sendo a tua riqueza eterna.
 Raciocina e enternece-te.
 Pensa e auxilia.
 Registrarás o verbo equívoco dos que se transviam temporariamente, asseverando que o mundo pertence aos que se façam bastantes fortes na astúcia ou na opressão, que a bondade é um conceito perdido no trabalho da moderna civilização, mas seguirás adiante, compreendendo que ninguém confunde a justiça, ainda que se creia sob o manto ilusório da impunidade, e que o progresso material, sem amor que lhe garanta o equilíbrio, mais não é o que uma exibição de poder, endereçada ao campo de cinza.
 Vive em tua época.
 Esforça-te e realiza, alegra-te e sofre com os teus contemporâneos; todavia, de quando em quando, recolhe-te ao abrigo da consciência e escuta as antigas verdades sempre novas que te anunciam o Reino de Deus!...
 Para reformula-las, os Espíritos do Senhor se espalham presentemente no Planeta, constituindo legiões...
Eles nos ensinam – a nós, os tarefeiros encarnados e desencarnados da seara enorme – que o ódio será banido das nações, que o egoísmo desaparecerá da Terra, que a ciência instruirá a ignorância, que a compaixão converterá todos os cárceres em sanatórios e que a educação espiritual extinguirá todos os focos de delinqüência!...
 Para isso, no entanto, eles te rogam o tijolo de trabalho e de amor que possas oferecer      à sublime edificação.
 Ama e serve sempre.
 Tudo o que te aflige ou te espanta, nas conquistas da inteligência de hoje, representa ensaio da supercultura de que o mundo amanhã aproveitará o que seja melhor, e, acima de todas as legendas que gritam ainda agora por fraternidade e reivindicação, ouviremos como proclamação mais alta a palavra de Jesus, no apelo inesquecível: “Amai-vos uns aos outros como eu vos amei”.
 
 
 Livro Encontro Marcado - Francisco Cândido Xavier