sábado, 2 de junho de 2012

Vocação


A vocação é a soma dos reflexos da experiência que trazemos
de outras vidas.
É natural que muitas vezes sejamos iniciantes, nesse ou  naquele setor de serviço, diante da evolução das técnicas de trabalho
que sempre nos reclamam  novas modalidades de ação; todavia,
comumente, retomamos no berço a senda que já perlustramos,
seja para a continuação de uma obra determinada, seja para corrigir nossos próprios caminhos.
De qualquer modo, o titulo profissional, em todas as ocasiões,
é carta de crédito para a criação de reflexos que nos enobreçam.
O administrador, o juiz, o professor, o médico, o artista, o
marinheiro, o operário e o lavrador estão perfeitamente figurados
naquela parábola dos talentos de que se valeu o Divino Mestre
para convidar-nos ao exame das responsabilidades próprias perante os empréstimos da Bondade Infinita.
Cada espírito recebe, no plano em que se encontra, certa quota de recursos para honrar a Obra Divina e engrandecê-la.
Acontece, porém, que, na maioria das circunstâncias, nos apropriamos indebitamente das concessões do Senhor, usando-as
no jogo infeliz de nossas paixões desgovernadas, no aloucado
propósito de nos antepormos ao próprio Deus.
Daí a colheita dos reflexos amargos de nossa conduta, quando
se nos desgasta o corpo terrestre, com o doloroso constrangimento
do regresso às dificuldades do recomeço, em que o instituto da
reencarnação funciona com valores exatos.
E como cada região profissional abrange variadas linhas de
atividade, o juiz que criou reflexos de crueldade, perseguindo inocentes, costuma voltar ao mesmo tribunal, onde exercera as
suas luzidas funções, com as lágrimas de réu condenado injustamente, para sofrer no próprio espírito e na própria carne as flagelações que impôs, noutro tempo, a vítimas indefesas. O médico
que abusou das possibilidades que lhe foram entregues, retorna ao
hospital que espezinhou, como apagado enfermeiro, defrontado
por ásperos sacrifícios, a fim de ganhar o pão. O grande agricultor
que dilapidou as energias dos cooperadores humildes que o Céu
lhe concedeu, para os serviços do campo, vem, de novo, à gleba
que explorou com vileza de sentimento, na condição de pobre
lidador, padecendo o sistema de luta em que prendeu moralmente
as esperanças dos outros. Artistas eméritos, que transformaram a
inteligência em trilho de acesso a desregramentos inconfessáveis,
reaparecem como anônimos companheiros do pincel ou da ribalta,
debaixo de inibições por muito tempo insolúveis, à feição de
habilidosos trabalhadores de última classe. Mulheres dignificadas
por nomes distintos, confiadas ao vicio e à dissipação, com esquecimento dos mais altos deveres que lhes marcam a rota, freqüentemente voltam aos lares que deslustraram, na categoria de ínfimas servidoras, aprendendo duramente a reconquistar os títulos
veneráveis de esposa e mãe...
E, comumente, de retorno suportam preterição e hostilidade,
embaraços e desgostos, por onde passem, experimentando sublimes aspirações e frustrações amargosas, porquanto é da Lei  venhamos a colher os reflexos de nossas próprias ações, implantados
no ânimo alheio, retificando em nós mesmos o manancial da
emoção e da idéia, para que nos ajustemos à corrente do bem, que
parte de Deus e percorre todo o Universo para voltar a Deus.


Pensamento e Vida/Emmanuel/FCX