quarta-feira, 19 de setembro de 2012

Minimamente feliz

Desde a infância aprendemos a sonhar com a felicidade no superlativo.
Mas, ao contrário do que os contos de fadas e os filmes infantis nos ensinaram, esse estado de pleno contentamento não é mágico nem duradouro.
Na vida real, o que existe é uma felicidade homeopática, distribuída em conta-gotas.
Às vezes, passamos tanto tempo preocupados em conseguir alcançar esse ou aquele objetivo, onde acreditamos estar depositada a nossa alegria, que nos esquecemos de nos alegrar com as pequenas coisas do dia a dia.
A felicidade não está no fim de uma longa jornada, mas sim em cada curva do caminho que percorremos para encontrá-la. Ela não deve ser o objetivo final, mas sim o resultado da caminhada.
Pequenos acontecimentos ou simples atitudes podem nos fazer sentir um bem indescritível e nos deixar imensamente felizes.
Presenciar um belo pôr-do-sol, receber um beijo carinhoso de alguém que estimamos, viajar nas páginas de um livro edificante, estar ao lado de uma pessoa que nos faz sonhar ou desfrutar da companhia de um grande amigo.
Caminhar em meio à natureza, ouvir uma música que nos enleva ou, simplesmente, reconhecer que somos capazes de provocar um sorriso na face de alguém.
Quando entendermos que a felicidade tão almejada pode ser a soma dessas pequenas coisas que nos deixam felizes, mudaremos o nosso conceito.
Na contabilidade das nossas vivências, se somarmos essas situações, com o cuidado e a delicadeza que merecem, perceberemos que elas podem nos trazer pequenas ou grandes alegrias, ainda que fugazes.
É importante contabilizar tudo de bom que nos acontece.
Essa é a felicidade em doses homeopáticas.
Cuidemos para não passar a vida esperando por momentos espetaculares, por amores inimagináveis ou por grandes acontecimentos.
Usemos moderadamente a palavra quando. Serei feliz quando eu tiver filhos, quando eu tiver uma condição financeira melhor, quando eu tiver uma casa, quando encontrar alguém que me ame.
Troquemos essas ilusões por prazeres mais simples e poderemos ser felizes hoje mesmo.
É natural desejar uma vida de plena alegria. Buscar alcançar as aspirações faz parte da nossa realidade, mas não devemos condicionar a felicidade à realização de todos os desejos pessoais.
Somemos as pequenas alegrias que nos acontecem todos os instantes.
Pode parecer uma soma modesta, mas é melhor ser minimamente feliz, várias vezes ao dia, do que viver eternamente em compasso de espera.
*   *   *
A tua felicidade é possível.
Crê nesta realidade e trabalha com afinco para conseguí-la.
Não a coloques nas coisas, nos lugares, nem nas pessoas, a fim de que não decepciones.
A felicidade é um estado íntimo, defluente do bem-estar que a vida digna e sem sobressaltos proporciona.
Mesmo que te faltem dinheiro, posição social de relevo e saúde, podes ser feliz, vivendo com resignação e confiança em Deus.
*   *   *
Lembremos que a paz íntima é uma das mais importantes dádivas para uma vida feliz.

Redação do Momento Espírita,com base em texto da
jornalista Leila Ferreira, colhido na internet e pensamentos
finais do cap. 43, do livro
Vida feliz, pelo Espírito Joanna de
Ângelis, psicografia de Divaldo Pereira Franco, ed. Leal.