sexta-feira, 21 de setembro de 2012

MISSÃO DOS ESPÍRITOS

Os espíritos têm outra coisa a fazer, além do seu melhoramento
pessoal?
- Concorrem para a harmonia do universo, executando as vontades de Deus, do
qual são ministros. A vida espírita é uma ocupação contínua, mas que nada
tem de penosa como a da Terra, pois não existe a fadiga corpórea, com as
angústias da necessidade.
(“O livro dos Espíritos”, questão nº558)
Todos encarnados e desencarnados, são chamados, a acrescentar
algo de si à magnífica obra da criação Divina; os espíritos consciente
ou inconscientemente, não cessam de trabalhar, aperfeiçoando-se e
colaborando com Deus na condição de co-criadores.
Alguns agem como instrumentos cegos, outros participam como
intermediários lúcidos, concorrendo para o progresso individual e
coletivo da humanidade.
Quanto mais se eleva o espírito, menos material é a tarefa que lhe
cabe cumprir, todavia maior é a responsabilidade a que se sente
chamado na condução dos que se movimentam na retaguarda.
Espíritos existem que se dedicam aos fenômenos da natureza –
cuidam da reprodução das espécies, das variações do clima,
temperatura, da polinização das flores, preparando-se para que
mais tarde, se habilitem aos fenômenos de ordem psicológica; há
entre eles uma infinidade de graus entre os que comandam e os que
obedecem.... Com esses últimos encontraremos os seres chamados
elementais, ou seja, espíritos que ainda não incursionaram o
suficiente na carne para se humanizarem, apresentando-se em
formas intermediárias...
Nem todos os desencarnados, porém, se preocupam com as questões
que interessam aos homens de maneira mais direta; muitos em se
desvinculando da Terra pelos processos da desencarnação,
ascendem ás regiões superiores da Vida Além da morte, cogitando
do seu próprio caminho... Apenas os espíritos mais abnegados,
perfeitamente integrados nos ideais do Senhor, renunciam à grande
altura, trabalhando nas circunvizinhanças da Terra e sujeitando-se
não raro, a tarefas sacrificiais, ao assumirem nova vestimenta física.
Enganam-se quantos imaginam que morte seja sinônimo de
ociosidade; a vida no Mundo Espiritual é muito mais intensa e os
que se lhe recusam a acompanhar o ritmo ficam para traz...
Uma vez desposados do corpo, os espíritos costumam inventariar
suas ações e traçar planos para o futuro, mobilizando os dispositivos
da lei, para um melhor aproveitamento das suas novas
experiências. Infelizmente, no entanto, contam-se aos milhares os
que fora do corpo, vagueiam na inconsciência, ao sabor das
circunstâncias. Como não se preocuparam com uma vida mental
digna revelam-se em Eclipse da razão, tendo, na maioria dos casos,
de ser guiados por aqueles que se mostram mais senhores de si.
Na vida maior, o trabalho que confere mérito ao trabalhador é o
que verdadeiramente o habilita a toda e qualquer reivindicação,
pois o devotamento é moeda de valor incorruptível e inalterável.
Aquele que se empenha no bem dos semelhantes, tornando-se
mecanismo ativo da evolução, sempre interessado em crescer e fazer
crescer, adquire o respeito dos espíritos superiores e, de acordo com
as suas possibilidades espirituais, transita com liberdade de ação
pelo mais diversos caminhos da vida sem fim.


Teus Olhos/Irmão José/Carlos Bacelli