quinta-feira, 18 de outubro de 2012

ÊXODO ESPIRITUAL

Se a população seguir sempre a progressão constante que
vemos, chegará um momento em que ela se tornará excessiva
na Terra?
- Não, Deus a isso provê e mantém sempre o equilíbrio. Ele nada faz de inútil.
O homem, que não vê senão um ângulo do quadro da natureza, não pode
julgar a harmonia do conjunto.
A população dos desencarnados que gravitam na psicosfera do orbe
é aproximadamente três vezes maior que a dos que, presentemente,
se encontram mergulhados na experiência física, quase todos
aguardando a oportunidade de recomeço.
Espíritos que anseiam pela volta ao corpo, em atendimento ás
necessidades de evolução...
Companheiros comprometidos com a Lei aspirando reajuste...
Muitos deles, na pressão psicológica inconsciente que exerce sobre
os reencarnados, precipitam o regresso às lides materiais.
Pressentindo a necessidade do êxodo espiritual que se anuncia para
a humanidade, deseja uma verdadeira oportunidade junto
daqueles dos quais se distanciaram nas sendas do progresso...
Neste dealbar de milênio, forçando as portas da reencarnação,
têm-se corporificado em massa, ante o controle da natalidade que,
dia-a-dia mais inviabiliza o tentame redentor.
É que o relativo processo de triagem no mecanismo reencarnatório
já se encontra em andamento e, à aparente explosão demográfica
de hoje, se sucederá sob o aval da ciência e de certos ascendentes de
ordem espiritual, um declínio populacional que de tempos em
tempos se verifica.
A humanidade evolui em ciclos – civilizações surgem e
desaparecem... As leis que vigem no microcosmos são as mesmas
para o macro; o que extrapolar volta ao ponto de equilíbrio...
Ao longo dos milênios, a coletividade espiritual, paulatinamente,
vem se renovando nas vizinhanças do planeta. Portanto o exílio dos
espíritos recalcitrantes não é de agora, como também não é de
agora a chegada dos espíritos mais evoluídos que tem sido de outras
esferas, atraídos para o seu novo habitat que é a Terra.
Sempre que a humanidade se sentiu, digamos, ameaçada por um
surto de explosão demográfica, de população que se concentra e
não se espalha, a Sabedoria Divina toma providências no sentido de
dispersar os espíritos. Ocorre então em massa, o que as guerras de
extermínio, as epidemias, e os desastres ecológicos dão ensejo.
O inconsciente coletivo da humanidade – a Alma do mundo –
refletindo os insondáveis desígnios de Deus, desencadeia
acontecimentos o os faz desencadear na natureza, recolocando o
homem do qual invigilante, se afastou.
Apenas a revelação espírita possibilita ao homem esta visão de
conjunto dos acontecimentos aparentemente ilógicos e inexplicáveis;
mostrando a integração existente entre as duas humanidades – A
visível e a invisível – que reage incessantemente sobre a outra, O
espiritismo nos leva a concluir pela racionalidade de tudo, não nos
permitindo ficar sem resposta nas indagações que formulamos
quanto ao problema dor ser, do destino e da dor.
A própria Lei Divina tem seus limites de tolerância; toda falta ou
todo excesso, num menor ou maior lapso de tempo serão
equacionados do modo abrupto ou imperceptível.