terça-feira, 20 de novembro de 2012

ASTÚCIA E CRIATIVIDADE

O instinto, por não possuir a faculdade de pensar, adquire e exterioriza a
astúcia, que é um mecanismo, através do qual consegue o que persegue.
Habilidade, perseverança, artimanhas fazem parte dessa manifestação que
tipifica diversos animais dentre os quais alguns seres humanos.
A criatividade se deriva da faculdade de pensar, que se renova sem
cessar.
Considerava J. Paul Sartre que o homem se reinventa, que está sempre
engendrando idéias, meios e formas para ser novo, para estar novo.
Naturalmente, o homem criativo é capaz de reinventar-se, de sair da rotina,
de buscar novos desafios e entregar-se a contínuos anelos de evolução.
As artimanhas do instinto preservam a vida do animal, quando se mimetiza
a fim de livrar-se dos predadores, seus inimigos naturais que, não fosse esse
valioso recurso da natureza, exterminariam as espécies de que se nutre e,
graças às quais, sobrevive.
Quando esse instinto não se encontra iluminado pela consciência
desperta, lúcida, e direciona o ser, surge-lhe a astúcia em detrimento da
inteligência, tornando-o adaptável em quaisquer situações, pusilânime,
aderindo e vinculando-se a pessoas e circunstâncias, sem a sua identidade
pessoal nem as específicas características psicológicas. Mente, engana, trai,
considerando-se inteligente e subestimando a inteligência dos demais. Porque
age, direcionado pelo instinto, inventa, sem criatividade, escusas,
esclarecimentos, projetando sempre a sombra, até ser desmascarado ou
relegado a plano secundário, considerado pernicioso ao meio social.
A criatividade inspira à busca do real, embora no campo imaginário,
conduzindo o ser psicológico à aquisição de recursos que o emulam ao
desenvolvimento das potencialidades nele jacentes. Quando bem direcionada,
supera a fantasia, que se lhe pode antecipar, penetrando no âmago das coisas
e ocorrências com que compõe novos cenários e estabelece produtivos
objetivos.
O ser criativo sai das situações menos felizes sem amarguras ou seqüelas
dos insucessos e desgostos experimentados, convertendo-os em lições de vida
mediante as quais progride em tranqüilidade.
Somente a criatividade pode manter as pessoas que experimentam
superlativas dores e excruciantes abandonos, perseguições e impiedades.
Quando despidas de tudo — haveres, família, amigos, títulos — não são
despojadas de si mesmas, com as quais contam, reconstruindo a
autoconfiança e projetando-se no futuro.
O astuto busca enganar, enganando-se.
Inseguro, tenta a lisonja, o enredo falso e se emaranha na tecedura da
rede de ilusões.
O criativo, quando sofre o presente, recupera mentalmente o passado,
revivendo-o, recompondo as cenas e programando o futuro. Se, por acaso, o
seu foi um passado menos feliz, repara-o, reexamina-o e tenta descobrir-lhe os
pontos vulneráveis do comportamento que lhe brindou as conseqüências
perturbadoras. Ao delinear o futuro reforça a coragem e a vigilância,
trabalhando-se para os enfrentamentos, sempre de maneira nobre, a fim de
não perder o respeito nem a dignidade para consigo mesmo.

A astúcia não resiste à análise inteligente por falta de suporte real, basilar,
para as suas propostas. Quem a cultiva, permanece infantil, mente à mãe
castradora ou superprotetora, ao pai dominador ou negligente, escondendo
agora a realidade como fazia na infância, por medo ou para estar nas graças,
porém em permanente conflito que muda apenas de apresentação.
Essa couraça do medo que comprime e libera os mecanismos de fuga da
realidade e do dever, deve ser removida pela energia da razão, em exame cuidadoso
quanto aos resultados da conduta, elegendo aquela que não produza
danos mais tarde, apesar dos riscos e desagrados do momento.
A criatividade dá sentido à existência, que não estaciona ante o já
conseguido, demonstrando a excelência de tudo quanto falta para ser
alcançado.
Liberta do encarceramento elaborado pelo ego, rompendo o círculo da
comodidade e impulsionando a novas experiências.
A mente criativa é atuante e renovadora, propiciando beleza ao ser, que
se faz solidário no grupo social, participante dos interesses gerais, aos quais se
afeiçoa, enquanto vive as próprias expectativas elaboradas pelo pensamento
idealista.
A mente astuta, anestesiada pela ilusão, nega-se à aceitação da realidade
por temor de ver desmoronar o seu castelo de sonhos, e ter que se enfrentar
despida das mentiras e quejandos. Momento porém, chega, no qual se rompe
essa couraça constritora — o sofrimento, o amor, o conhecimento, a alegria
legítima afloram — e surge, num parto feliz, a criatividade enriquecedora,
equilibrada e tranqüila, proporcionando saúde psicológica.