terça-feira, 13 de novembro de 2012

PENA DE MORTE

A pena de morte desaparecerá um dia da legislação humana?
- A pena de morte desaparecerá incontestavelmente, e sua supressão assinalará um
progresso da humanidade. Quando os homens forem mais esclarecidos, a pena de morte
será completamente abolida da Terra. Os homens não terão mais necessidades de serem
julgados pelos homens. Falo de uma época que ainda está muito longe de vós.
(“O Livro dos Espíritos”, questão nº760)

A pena de morte não deterá a escalada da violência que, neste
dealbar de milênio vem tornando insegura a vida do homem na
Terra.
A instituição da pena de morte é um atalho simplista que exige da
humanidade um caminho mais longo a ser percorrido – A reparação
das injustiças sociais que negam a todos os homens as mesmas
oportunidades.
A violência que vige principalmente nas grandes cidades é o
reflexo da indiferença do homem para com o seu semelhante, não
lhe concedendo acesso ao trabalho e à escola.
Se aparentemente intimida os infratores da lei, a pena de morte
não anula as tendências para o crime nos que se fazem
delinqüentes. Nos países em que não existe, está provado que o
índice de criminalidade não decresceu: Antes, porém, tem-se
sofisticado os meios de atentar contra a tranqüilidade do cidadão.
A questão da violência carece de ser discutida em suas raízes. É
um desafio para que o homem se torne mais solidário e
participativo, colocando de lado a sua indiferença social. Não é
problema unicamente afeto ás autoridades constituídas.
Sem o envolvimento religioso, independentemente de credo
religioso, partido político ou formação sectária, a violência urbana
não se extinguirá.
Imprescindível maior atenção à família – que pais e filhos
estreitem os laços e preservem o sagrado instituto do lar.
Evidentemente que no combate á marginalidade, não se deve
descartar as medidas chamadas de impacto, todavia sem que se
combatam suas causas, os efeitos persistirão.
Os espíritos que deixam o corpo em estado de agressividade
pertencem à economia espiritual do planeta – mais cedo ou mais
tarde retornarão à liça terrestre na mesma condição, dando
seqüência à sua trajetória infeliz.
Educação – Eis a solução espiritualmente menos onerosa para o
homem erradicar os altos índices de criminalidade.
Quando os institutos penais, de fato se transformarem em escolas e
oficinas, a humanidade respirará aliviada.
A legislação da pena de morte – Além de ser uma medida em que
a civilização confessaria a falência de seus valores morais – daria ao
homem a falsa impressão de que o problema da violência estaria
resolvido.
Disse Jesus: “Atire a primeira pedra aquele que estiver sem
pecados...” Oculta-se por detrás do malfeitor, que aperta o gatilho
o autor intelectual do crime por ele perpetrado.
- A sociedade omissa e indiferente à sorte das crianças que dorme
ao relento e os jovens filhos de pais igualmente jovens que cresceram
à míngua de amor.