quarta-feira, 26 de dezembro de 2012

A melhor parte

É muito conhecida a história das irmãs Marta e Maria. Toda vez que Jesus ia para Betânia, cidade próxima de Jerusalém, costumava se hospedar na casa dos irmãos Lázaro, Marta e Maria.
  Eram corações amigos que O recebiam com extremado carinho e atenção. Naturalmente, toda vez que Ele ali aparecia, atraía uma multidão de curiosos, que desejava ver e ouvir o profeta.
  Por essa razão, era necessário preparar a casa, pequena para recepcionar a tantos.
  Numa dessas oportunidades, depois de uma larga jornada de pregações e curas, Ele ali chegou em um final de tarde, quando o sol morria no horizonte.
  Consolara corações, abraçara a imensidade das dores e estendera esperança com Sua palavra, por muitas horas.
  Chegando ao lar amigo, Marta, sempre solícita, dispôs um dos cômodos para que Ele repousasse. Serviu-lhe sucos e frutas a fim de que recompusesse as energias.
  Mas o Mestre era incansável e, sabendo do pouco tempo de que dispunha para permanecer entre os homens, não perdia oportunidade para iluminar corações.
  Então, começou a falar do Reino dos Céus, do Pai amoroso e bom, das condições para a criatura se plenificar de paz. Maria, sempre ansiosa por ouvir Jesus, sentou-se aos seus pés, escutando-O embevecida.
  As palavras dEle caíam na sua alma, como a chuva generosa em solo seco. Aquela mensagem era luz e vida.
  Em um dado momento, passando pelo local, às voltas com a série de providências a serem tomadas, antes que começassem a chegar os estranhos e conhecidos, Marta olhou para Jesus e perguntou:
  Senhor, não se importa que minha irmã me deixe trabalhar sozinha? Diga a ela que me ajude.
  Marta, respondeu o Mestre, você anda ocupada com muitas coisas. Entretanto, uma só coisa é necessária. Maria escolheu a parte melhor. Uma parte que não lhe será tirada.
*   *   *
  E nós, somos como Marta ou como Maria?
  Que fazemos do nosso tempo? Aproveitamos para uma leitura que alargue a nossa cultura e nos estimule para o bem? Ou preferimos simplesmente deitarmo-nos, indolentes e assistir por horas intermináveis a programas de televisão que, nem sempre trazem mensagem positiva ou engrandecedora?
  Se convidados para um passeio pela natureza, em plena manhã, nos dispomos a ir e sorver o ar puro do dia que apenas começa? Ou preferimos dizer não, inventando outras tantas desculpas?
*   *   *
  A melhor parte, a que se referia Jesus, tem a ver com os objetivos maiores da vida.
  Não nos encontramos na Terra simplesmente para o gozo dos seus bens, isto é, para comer, nos divertir, dormir.
  A vida nos é dada para subirmos alguns degraus na escalada evolutiva.
  Faz parte dessa escalada o nosso progresso intelectual e também espiritual.
  Se crescermos somente no intelecto, nos tornaremos criaturas frias, sem coração.
  Se crescermos somente em moral, corremos o risco de nos tornarmos pessoas tolas.
  Por isso, o investimento ideal é em ambas as partes: no intelecto e no moral. Eis a melhor parte para todos nós.

Redação do Momento Espírita.