sexta-feira, 14 de dezembro de 2012

MASSIFICAÇÃO

Ao tempo em que as informações se multiplicam, oferecendo o
conhecimento de muitas ocorrências simultaneamente, aquelas que têm
primazia nos veículos de comunicação — tragédias, excentricidades, violências
e crimes, sexo em desvario, ameaças de morte e de guerra — deixam o
indivíduo inseguro. Porque não dispõe de tempo para digerir e bem absorver as
notícias, selecionando-as, abate-se com facilidade ou excita-se, armando-se
emocionalmente para os enfrentamentos.
Ocorre-lhe o fenômeno de ruptura da omeostase, que o perturba, física e
psiquicamente.
Deixando-se arrastar pelo volume, massifica-se e perde o contato com a
própria identidade, passando a ser apenas mais um no grupo, no qual se
movimenta —trabalho, recreios, estudos, em quaisquer atividades —
submetendo-se ao estabelecido, ao gosto geral, à von
tade alheia, às necessidades que os organizadores definem, sem o
consultarem anteriormente. Os seus passam a ser os prazeres que outrem lhe
concede, exigindo que se sinta bem e se divirta, porqüanto esse é o
convencionado. Membro que é do conjunto, as suas são as opções gerais.
A massificação deságua na desumanização, reconduzindo o ser ao
anterior estágio dos impulsos e instintos básicos, que eram próprios para a
selva antiga, e agora se apresentam como necessários na moderna, que é
construída de pedras, cimento e ferro. Nela, não há liberdade plena, nem
harmonia gratificante, porqüanto é artificial, ruidosa, agressiva, propondo
contínuo, exaustivo estado de alerta contra os seus métodos e membros
igualmente violentos.
A massa humana, como ser grupal, é destituída de alma, de sensibilidade.
Em sua marcha voluptuosa avassala, deixando escombros físicos e
psicológicos por onde passa. Porque os seus membros perderam a capacidade
de ser indivíduos, estouram a qualquer voz de comando, arrastados pelos que
os sediciam, e assim agem, para não ficarem esmagados. Os seus tornam-se
os interesses coletivos, e tudo é programado, extinguindo no homem a
espontaneidade, que lhe expressa a individualidade, o nível psicológico e de
consciência, no qual se encontra.
O ser animal necessita do grupo, conduzido pelo instinto gregário, que o
protege dos inimigos naturais e dá-lhe vida, estímulos, facultando-lhe
intercâmbios.
O homem, porém, não prescinde da própria intimidade, dos espaços que
ocupa e lhe são fundamentais.
Experimentar mergulhos no Self, fruir momentos de solidão, sem buscar
isolar-se, são-lhe atitudes saudáveis, renovadoras, que lhe concedem beleza
interior para contrabalançar os choques desgastantes da luta pela vida.
A busca de realização é sempre pessoal e a meta éigualmente particular,
correspondente ao estágio de evolução de cada qual. Não obstante haja
similitudes entre as aspirações de criaturas diferentes, os valores anelados
possuem características e significados muito especiais, nunca se misturando
em uma generalidade comum.
O ser humano é um universo com as suas próprias leis e constituição,
embora em harmonia com todos os demais, formando imensa famiia.
Massificado, perde a capacidade, ou lhe é impedida, de expressar-se, de
anelar e viver, conforme o seu paradigma de aspiração e progresso, pois que,
do contrário, é expulso do grupo, onde não mais tem acesso. Marginalizado,
deprime-se, aflige-se.
Cabe-lhe, porém, amadurecer reflexões para viver no grupo sem
pertencer-lhe; para estar em sociedade sem perder a sua identidade; para
encontrar-se neste momento com os demais, porém, não se permitir os
arrastamentos insensatos e compulsivos da massificação.
Como lhe é necessário viver em grupo, é-lhe imprescindível ser ele
próprio. Sua individualidade deve ser respeitada e mantida, a fim de que
experiencie os acontecimentos conforme o seu estado emocional, orgânico e
intelectual.
O ser humano detém possibilidades inesgotáveis, que se multiplicam por si
mesmas. Quanto mais as desenvolve, tanto mais se apresentam aguardando
ocasião de expandir-se.
A aquisição da consciência de si, porém, é resultado de um esforço
individual concentrado, que a massificação dificulta, porqüanto, no conjunto,
basta seguir-se o volume no qual se está mergulhado.
Quando defrontado com o Si profundo, o indivíduo opta por controlar e
bem direcionar a máquina orgânica ao invés de ser conduzido pelos instintos
prevalecentes. Esse empenho racional converte-se de imediato em desafio que
o engrandece, oferecendo-lhe significado existencial, por cujo termo lutará com
denodo.
A massificação permite a liberação negativa e perturbadora dos conflitos
do homem que, somados aos dos demais, torna-se um transtorno desenfreado,
que mais inquieta, na razão direta em que se exterioriza. Tornando-se difícil a
identificação da pessoa conflitiva, em razão do grupo que a absorve, o paciente
sente-se à vontade para expandir a sua mazela, mascarando-se e parecendo
estar em outra realidade. Ao escamoteá-lo, porém, mais lhe aprofunda as
tenazes nos alicerces do inconsciente, aturdindo-se e infelicitando-se.
A massa absorve, devora as expressões individuais e consolida as paixões
perversas. A diluição terapêutica do conflito certamente obedece à sua
exteriorização conscientizada, anulando-lhe a causalidade e preenchendo o
seu espaço com formulações amadurecidas e realizações compensadoras. Tal
a resolução, e a ação dinâmica exige humildade, reconhecendo-se o ser frágil
e necessitado, por fim, encorajando-se para o cometimento libertador.
Vivendo-se uma atualidade globalizadora, inevitável, pode-se no entanto,
evitar a massificação, preservando-se a individualidade, sendo-se autêntico
consigo mesmo, enfrentando as imposições do ego e harmonizando-as com o
Self.