segunda-feira, 2 de dezembro de 2013

O poço de Ryan

Ele só tinha seis anos quando a professora da primeira série falou do triste destino de crianças que viviam na África empobrecida e devastada por doenças.
Ryan estremeceu ao saber que centenas de milhares de crianças africanas morriam, todos os anos, por beberem água contaminada. A sua escola estava angariando fundos para a África e ele soube que setenta dólares custeariam um poço.
Ao chegar em casa, pediu à mãe o dinheiro e disse porque precisava. A mãe sugeriu que ele fizesse tarefas extras para conseguir a quantia.
Ele pegou uma folha de papel e desenhou um diagrama contendo trinta e cinco linhas. Para cada dois dólares recebidos, Ryan preenchia uma linha e guardava o dinheiro numa lata vazia de biscoitos.
Ele lavou janelas, recolheu pinhas que caíam no quintal, trabalhou como pôde.
Num dia de abril de 1998, Ryan entregou a uma organização internacional os seus setenta dólares. A senhora que o atendeu, agradeceu e explicou que uma bomba manual custava setenta dólares mas, para perfurar um poço eram necessários quase dois mil dólares.
Então vou trabalhar mais, disse o menino. Os pais se envolveram e desencadearam uma campanha de doações. Aos sete anos, Ryan conseguira juntar um pouco mais de setecentos dólares e a quantia faltante foi completada pela Agência de Desenvolvimento Internacional Canadense.
Ryan e seus pais foram convidados para uma reunião com o representante de Uganda na Associação Médicos Canadenses para Auxílio e Assistência, grupo que recolhia os fundos angariados e, com a ajuda dos habitantes das aldeias, construía e mantinha os poços.
Ryan foi abraçado pelo representante Shibru, que confirmou ao menino que o poço poderia ser localizado perto de uma escola, em Angolo, norte de Uganda.
Mas falou que eram necessárias vinte pessoas trabalhando dez dias para construir um poço com um escavador manual. Uma perfuradora pequena custava vinte e cinco mil dólares.
Disposto a conseguir o dinheiro, o menino teve sua história publicada em um jornal canadense e, em dois meses, tinha inspirado sete mil dólares em doações.
Já cursando a segunda série, Ryan e seus colegas de classe passaram a se corresponder com os meninos de Angolo.
Enquanto isso, Ryan passava horas escrevendo cartas pedindo dinheiro a várias organizações. Finalmente, conseguiu a quantia devida para a compra do equipamento.
Em 27 de julho de 2000, um caminhão, transportando Shibru, Ryan e seus pais, desceu a estrada de terra perto de Angolo.
Cerca de três mil crianças aguardavam na beira da estrada, batendo palmas. Os líderes da aldeia receberam Ryan e o levaram até o poço, ao lado da horta da escola. Na base de concreto estava escrito:
Poço de Ryan. Construído por Ryan Hreljac. Para a comunidade da escola elementar Angolo.
Naquela noite, na cama, Ryan disse para sua mãe: Estou muito feliz.
Terminou aquele dia inesquecível com a oração que fazia todas as noites: Desejo que todos na Àfrica tenham água limpa.
*   *   *
A fraternidade não conhece fronteiras e o amor desconhece limites.
Permitamo-nos o contágio do bem, com essa vontade de auxiliar, com esse sentimento de se importar com o outro, mesmo que lhe desconheçamos o nome. Mesmo que só o que ele necessite seja um copo de água limpa e fresca, para manter-lhe a vida.

Redação do Momento Espírita, com base no
artigo
O poço de Ryan, de Seleções Reader´s Digest
de dezembro/2001.