quinta-feira, 23 de janeiro de 2014

CONVERSÃO

“E tu, quando te converteres, confirma teus irmãos.”
Jesus (LUCAS, 22: 32)


Não é tão fácil a conversão do homem, quanto afirmam os portadores de
convicções apressadas.
Muitos dizem “eu creio”, mas poucos podem declarar “estou
transformado”.
As palavras do Mestre a Simão Pedro são muito simbólicas. Jesus proferiu as,
na véspera do Calvário, na hora grave da última reunião com os discípulos.
Recomendava ao pescador de Cafarnaum confirmasse os irmãos na fé, quando se
convertesse.
Acresce notar que Pedro sempre foi o seu mais ativo companheiro de
apostolado. O Mestre preferia sempre a sua casa singela para exercer o divino
ministério do amor. Durante três anos sucessivos, Simão presenciou acontecimentos
assombrosos. Viu leprosos limpos, cegos que voltavam a ver, loucos que
recuperavam a razão; deslumbrara-se
com a visão do Messias transfigurado no
labor, assistira à saída de Lázaro da escuridão do sepulcro, e, no entanto, ainda não
estava convertido.
Seriam necessários os trabalhos imensos de Jerusalém, os sacrifícios
pessoais, as lutas enormes consigo mesmo, para que pudesse converter-se
ao
Evangelho e dar testemunho do Cristo aos seus irmãos.
Não será por se maravilhar tua alma, ante as revelações espirituais, que
estarás convertido e transformado para Jesus. Simão Pedro presenciou essas
revelações com o próprio Messias e custou muito a obter esses títulos. Trabalhemos,
portanto, por nos convertermos. Somente nessas condições, estaremos habilitados
para o testemunho.