terça-feira, 21 de janeiro de 2014

Sempre resta alguma coisa para amar

A peça de teatro intitulada Raisin in the sun, de Lorraine Hansberry, traz um trecho realmente admirável, que convida o público a refletir sobre os valores que guardam suas almas.
Na peça, uma família afroamericana recebe dez mil dólares, provenientes do seguro de vida do pai.
A dona da casa vê no dinheiro a oportunidade de deixar o gueto onde vivia no Harlem, e mudar-se para uma casa no campo, enfeitada com jardineiras.
A filha, uma moça muito inteligente, vê a oportunidade de realizar seu sonho de estudar medicina.
O filho mais velho, contudo, quer o dinheiro para que ele e um amigo iniciem um negócio.
Diz à família que, com o dinheiro, ele poderá trabalhar por conta própria e facilitar a vida de todos. Promete que, se puder lançar mão do dinheiro, proporcionará à família todos os confortos que a vida lhes negou.
Mesmo contra a vontade, a mãe cede aos apelos do filho. Ela tem de admitir que as oportunidades nunca foram tão boas para ele.
No entanto o tal amigo foge da cidade com o dinheiro. Desolado, o filho é forçado a voltar para casa e dizer à família que suas esperanças para o futuro lhe foram roubadas, que seus sonhos de uma vida melhor foram desfeitos.
A irmã atira-lhe no rosto toda sorte de insultos. Qualifica-o com as palavras mais grosseiras que se possa imaginar. Seu desprezo em relação ao irmão não tem limites.
Quando ela para um pouco para respirar, a mãe a interrompe e diz: Pensei que tivesse ensinado você a amar seu irmão.
A filha então responde: Amar meu irmão? Não restou nada nele para eu amar.
E a mãe diz: Sempre sobra alguma coisa para amar. E, se você não aprendeu isso, não aprendeu nada. Você chorou por ele hoje?
Não estou perguntando se você chorou por causa de si mesma e de nossa família, por termos perdido todo aquele dinheiro. Estou perguntando se chorou por ele: por aquilo que ele sofreu e pelas consequências que terá de enfrentar.
Filha, quando você acha que é tempo de amar alguém com mais intensidade? No momento em que faz coisas boas e facilita a vida de todos?
Bem, então você ainda não aprendeu nada, porque esse não é o verdadeiro momento para amar. Devemos amar quando a pessoa está se sentindo humilhada e não consegue acreditar em si mesma, porque o mundo a castigou demais.
Se julgar alguém, faça-o da forma certa. Tenha a certeza de que você levou em conta os reveses que ele sofreu antes de chegar ao ponto em que está agora.
Essa é a graça misericordiosa! É o amor ofertado quando não se fez nada para merecê-lo. É o perdão concedido quando não se fez nada para conquistá-lo.
É a dádiva que flui como as águas refrescantes de um riacho para extinguir as labaredas provocadas por palavras de condenação carregadas de ira.
O amor que o Pai nos oferece é muito mais abundante e generoso. A misericórdia de Deus é muito mais grandiosa e sábia.
Pense nisso.
Pense com o coração nesta lição e reflita sobre o seu amar, sobre as condições que você impõe ao outro para que o ame, e descubra a oportunidade de amar de verdade.
Por mais que as pessoas, com suas imperfeições, lhe tragam mágoa, desapontamento ou desilusão, lembre de que sempre resta alguma coisa para amar.

Redação do Momento Espírita, com base no cap. Sempre resta
alguma coisa para amar, de Tony Campolo, do livro Histórias para
o coração, v. 1, de Alice Gray, ed. United Press.
Em 20.1.2014.