segunda-feira, 24 de fevereiro de 2014

Gravação inesperada

Em grandes cidades brasileiras, como no mundo todo, câmeras de segurança foram instaladas nas ruas. O objetivo é detectar a ação de vândalos e criminosos, assegurando uma certa tranquilidade aos cidadãos.
Se a ação deu certo, ao menos em parte, o que ninguém esperava é o que as mais de quinhentas câmeras de segurança gravaram, na capital pernambucana.
Em dois meses, nada menos de seiscentos flagrantes de imagens inesperadas. Imagens que revelam gentileza, solidariedade e honestidade.
São casos de pedestres que ajudam um homem atropelado, que conduzem cegos para atravessar a rua, que ajudam um cadeirante a subir na calçada sem rampa, que empurram o carro de um desconhecido que quebrou, bem no meio da avenida.
Alguém que corre atrás de outra pessoa, para lhe devolver a carteira com dinheiro e documentos, que recolhe os pacotes de quem os deixou cair, que abre e segura a porta, com gentileza, para que o outro adentre.
Quando se fala de tantas agressões entre torcidas organizadas, as câmeras registraram um torcedor ajudando um ciclista que caiu na rua e estava usando a camisa do time rival.
Uma mulher, saindo da igreja, encontra um homem embriagado, caído na escadaria. Ela tenta despertá-lo, sem sucesso.
Então, preocupada, esconde a carteira embaixo do corpo dele, para que não fique à mostra de possíveis ladrões.
Cada qual realizou uma boa ação, auxiliou a outrem, sem saber seu nome, sem sequer atentar para questão de raça, de cor da pele.
Simplesmente viu alguém em dificuldade e ajudou como pôde, da melhor forma possível.
E o pagamento de cada um foi a retribuição de um sorriso, de um aceno.
O vídeo, que foi exibido em emissora de TV em Recife, encanta pela boa índole das pessoas, que fizeram o bem sem pensar em receber algo em troca, e sem saberem que estavam sendo gravadas.
Isso nos diz que a grande maioria das pessoas é do bem, pensa no bem e age no bem, ao contrário do que alardeiam muitos de que o mundo está cada vez pior.
*   *   *
Toda criatura traz, em si, as sementes do bem. Isso porque todos fomos criados por um Pai pleno de amor que nos concebeu à sua imagem e semelhança.
Dessa forma, temos a finalidade do bem em nossa intimidade. Se, por vezes, alguns de nós nos perdemos pelas vielas escuras da maldade ou da indiferença, é sempre por um tempo restrito.
Um tempo que pode ser de alguns anos, de uma vida, mas findável porque a nossa finalidade é o amor, pois que fomos gerados pelo amor inexcedível de Deus.
E o bem é de tal forma contagiante que basta alguém se dispor a uma boa ação para que encontre, no simples gesto, muitos que se lhe associem.
Dizem isso as tantas campanhas criadas em favor de doentes, pelos sofredores, pelos desabrigados em grandes cataclismas, que encontram ressonância nos corações das gentes.
Uns doam do que possuem, outros doam a si mesmos, em intensas horas de trabalho, esquecidos do próprio cansaço, da fome e do desconforto.
O homem é do bem. O mundo está melhor. Acreditemos nisso. Invistamos nisso, engrossando as fileiras dos que atuam no bem.
 Redação do Momento Espírita,
com dados colhidos no site
www.sonoticia.boa.com.br.