quarta-feira, 5 de fevereiro de 2014

Meu irmão, meu ídolo

Ainda não sei falar... Não através das línguas tradicionais do mundo, mas acho que você me entende, não entende?
Acho que você compreende, quando o observo com atenção, correndo ao meu redor, e meus olhos brilham, meu sorriso nasce e minha gargalhada ressoa por toda casa.
Só para você eu sorrio assim pois, de alguma forma, acho que me lembro de você, e essa lembrança me traz paz, me traz segurança, me traz alegria.
Sim, alegria. Você tem me ensinado muito sobre ela, pois nunca vejo você triste. E saber que esta nova vida pode ser assim, alegre, me deixa mais tranquila perante os desafios que terei de enfrentar.
Você é maior do que eu, chegou antes neste lar, e me contaram que estava lá para me receber quando cheguei.
Você é grande e já fala tantas coisas! Às vezes não para de falar, inclusive.
Eu fico tentando imitá-lo, vendo os movimentos de sua boca, de seu rosto. Acho que já estou começando a entender alguns sons, embora seja difícil para mim ainda.
Você pula para lá e para cá e eu já pulo com você.
Você dança com as músicas e eu fico observando os seus pés, atentamente, para ver os movimentos engraçados que eles fazem, pensando: Será que os meus podem fazer o mesmo?
Estou tentando andar... tenho me esforçado muito, pois meu tempo é um pouco diferente do das outras crianças, e você é minha maior inspiração, pois você anda de um jeito muito engraçado e veloz.
E você tem paciência comigo... não me compara, não exige de mim mais do que consigo neste momento. Sabe que conseguirei fazer tudo, mas no meu ritmo. Não tenho pressa.
Você escolhe os videozinhos que eu mais gosto, você assiste comigo filmes que não assistia mais, por não serem para a sua idade. Você é calmo comigo... e eu preciso que tenham calma comigo.
Você não reclama quando eu quase arranco seus cabelos ou seu nariz ou suas orelhas... Você nunca protestou por eu pegar seus brinquedos e jogá-los para cima, fazendo bagunça em seu quarto.
Acho que todos tinham que ter um irmão mais velho como você! Você é o máximo! Suas baterias duram mais do que qualquer um dos meus brinquedos!
E eu sei que você não vai dormir sem antes vir se despedir de mim... Eu sinto, mesmo quando já fui para o mundo dos sonhos.
Meus pais disseram que você vai estar sempre ao meu lado, e eu acredito nisso, pois sinto, de alguma forma, e não sei explicar ainda, que já ouvi isso antes.
Meu irmão, meu ídolo, que possamos crescer juntos nesta nova vida, de mãos dadas, pois segurando em suas mãos, não terei nada a temer.
*   *   *
Os laços de família são fortalecidos pela reencarnação.
Os espíritos formam no espaço grupos ou famílias, unidos pela afeição, simpatia e semelhança de tendências. Felizes por estarem juntos, procuram-se. A encarnação apenas os separa momentaneamente, pois, após sua volta à erraticidade, reencontram-se como amigos que retornam de uma viagem.
Às vezes, uns seguem a outros na encarnação, reunindo-se  numa mesma família, ou num mesmo círculo, trabalhando juntos para seu mútuo adiantamento.
Os mais adiantados procuram fazer progredir os que se atrasam.
Cada vez menos ligados à matéria, seu afeto é mais vivo, por isso mesmo mais puro, e não é mais perturbado pelo egoísmo, nem pelo arrastamento das paixões.
Podem, assim, percorrer um número ilimitado de existências corporais sem que nada afete sua mútua afeição.
Redação do Momento Espírita,com pensamentos finais
do item 18, do cap.4,do livro O Evangelho segundo o Espiritismo,
de Allan Kardec, ed. FEB.