quinta-feira, 13 de fevereiro de 2014

O Companheiro


“Não devias tu igualmente ter compaixão do teu
companheiro, como eu também tive misericórdia de ti?”
Jesus (MATEUS, 18: 33)


Em qualquer parte, não pode o homem agir, isoladamente, em se tratando
da obra de Deus, que se aperfeiçoa em todos os lugares.
O Pai estabeleceu a cooperação como princípio dos mais nobres, no centro
das leis que regem a vida.
No recanto mais humilde, encontrarás um companheiro de esforço.
Em casa, ele pode chamar-se
“pai” ou “filho”; no caminho, pode
denominar-se
“amigo” ou “camarada de ideal”.
No fundo, há um só Pai que é Deus e uma grande família que se compõe de
irmãos.
Se o Eterno encaminhou ao teu ambiente um companheiro menos desejável,
tem compaixão e ensina sempre.
Eleva os que te rodeiam.
Santifica os laços que Jesus promoveu a bem de tua alma e de todos os que
te cercam.
Se a tarefa apresenta obstáculos, lembra-te
das inúmeras vezes em que o
Cristo já aplicou misericórdia ao teu espírito. Isso atenua as sombras do coração.
Observa em cada companheiro de luta ou do dia uma bênção e uma oportunidade de
atender ao programa divino, acerca de tua existência.
Há dificuldades e percalços, incompreensões e desentendimentos? Usa a
misericórdia que Jesus já usou contigo, dando-te
nova ocasião de santificar e de
aprender.