quarta-feira, 2 de abril de 2014

Diante do Bem

Diante de cada dia que surge, reflitamos na edificação do bem a que somos chamados.
Para isso, comecemos abençoando pessoas e acontecimentos, circunstâncias e cousas,
para que o melhor se realize.
*
De princípio costumam repontar no cotidiano os problemas triviais do instituto doméstico.
Habitualmente aparece o assunto palpitante da hora, solicitando-nos atenção. Saibamos
subtrair-lhe a sombra provável projetando nele a réstea de luz que sejamos capazes de
improvisar. Logo após, de imediato, estamos quase sempre defrontado pelos contratempos
de ordem familiar.
Renteando com eles, usemos o verbo calmante e conciliador para que as engrenagens do lar
funcionem lubrificadas em bálsamo de harmonia.
Mais adiante é o grupo de trabalho com os pontos fracos à mostra.
Abracemos com paciência e alegria as tarefas excedentes que se nos imponha, esquecendo
essa ou aquela falha dos companheiros e trazendo à nós sem queixa ou censura a obrigação
que ficou por fazer. Em seguida é o campo vasto das relações, com as surpresas menos
felizes que sobrevenham: o amigo modificado, a trama da incompreensão, a atitude mal
interpretada, o irmão que se vai para longe de nós...
*
A cada ocorrência menos agradável procuremos responder com os nossos mais altos
recursos de entendimento, justificando o amigo que se transforma, desfazendo sem mágoa o
emaranhado das trevas, removendo equívocos em pauta e apoiando o colega que se afasta,
oferecendo-lhe a íntima certeza com referência à continuidade de nossa estima. Tudo o que
existe é peça da vida e se aqui ou além, a deficiência aparece, isso significa que a obra do
bem, nessa ou naquela peça da vida está pedindo a nossa colaboração a fim de que lhe
doemos o pedaço de bem, que porventura ainda lhe falte.