segunda-feira, 7 de abril de 2014

FÉ E CORAGEM

Proclamar as próprias convicções, notadamente diante das criaturas que se nos façam
adversas, é coragem de fé, no entanto, semelhante afirmação de valor não se restringe a
isso.
O assunto apresenta outra face não menos importante: o desassombro da tolerância pelo
qual venhamos a aceitar os outros como os outros são sem recusar-lhes auxílio.
*
Cunhar pontos de vista e veiculá-los claramente é sinal de espontaneidade e franqueza,
marcando alma nobre.
Compreender amigos e adversários, simpatizantes ou indiferentes do caminho, estendendolhes
paz e fraternidade, é característico de paciência e bondade, indicando alma heróica.
*
Demonstra a própria fé, perante todos aqueles que te compartilham a estrada, mas não deixe
de amá-los e servi-los, quando se patenteiam distantes dos princípios que te norteiam.
*
Reportamo-nos a isso, porquanto, junto dos companheiros leais, surgirão sempre os
companheiros difíceis.
Esse de quem esperava testemunhos de amor e bravura, nas horas graves, foi o primeiro
que te deixou a sós, nos momentos de crise; aquele, em cujo coração plantaste sinceridade
e confiança, largou-te ao ridículo, quando a maioria mudou, transitoriamente, de opinião;
aquele outro a quem deste máximo apreço te retribuiu com sarcasmo; e aquele outro, ainda,
é o que te criou problemas e inquietações, depois de lhe haveres dado apoio e vida.
Todos eles, porém, se nos erguem na escola do mundo por testes de persistência no bem.
*
A coragem da fé começará sempre através da veemência com que exponhamos as próprias
idéias, diante da verdade, entretanto, só se realizará em nós e por nós, quando tivermos a
necessária coragem para compreender todos os homens, - ainda mesmo os nossos mais
ferrenhos perseguidores, - como nossos verdadeiros irmãos e filhos de Deus.