quinta-feira, 22 de maio de 2014

MECANISMO DO AUXÍLIO

Todos somos filhos de Deus e, nessa condição, de um modo ou de outro, carecemos todos nós do
Amparo Divino.
Meditando nisso, não teremos qualquer dificuldade para reconhecer o imperativo do apoio mútuo, em
todos os processos de vivência, já que não compreendemos em Deus justiça sem bondade e nem
bondade sem justiça.
Por essa mesma razão, é fácil observar a necessidade do ajustamento entre socorro e cooperação.
**
A fim de que o mecanismo do auxílio funcione com segurança, entre aquele que necessita de amparo
e aquele que pode ajudar relativamente, é indispensável venha a surgir e fixar-se o auxílio daqueles
outros que possam ajudar mais ainda.
O doente nas prescinde do tato e do entendimento de quem o assiste, a fim de que o médico
disponha de campo adequado à atuação curativa.
A criança reclama a vigilância de pais ou tutores que a protejam para o professor, junto dela, encontre
o clima propício à obra da educação.
E criatura alguma, integrada nas responsabilidades próprias, se lembrará de perturbar o trabalho da
recuperação física e do aprimoramento cultural, com interferências inoportunas.
**
Assim ocorre quanto ao socorro espiritual.
Os amigos que operam em mais elevado nível de evolução estão prontos à prestação de serviço, em
favor dos companheiros em estágio educativo na Terra, mas para isso aguardam o concurso de
irmãos amadurecidos na experiência que se lhes erijam em suportes as boas obras que lhes caibam
realizar.
**
Impossível que os Instrutores da Paz consigam tranqüilizar o ambiente humano, quando os que
verificam o imperativo da paz agravam os problemas formados pela discórdia.
Impraticável a ação dos Espíritos Benfeitores na restauração íntima de alguém, quando aqueles que
reconhecem à imposição de semelhante reajuste descambam para a condenação.
**
Se anelamos a libertação do mal, saibamos colaborar na extinção do mal.
Se nos propomos sanar o desequilíbrio, procuremos rearmonizar.
Amigos do mundo, sempre que buscardes o concurso daqueles amigos outros que se domiciliam na
Vida Maior, recordai que lhes sois os pontos de apoio para que a colaboração deles se efetue.
Em qualquer plano do Universo, toda vez que desejarmos realmente o bem, é forçoso nos
convertamos em colunas vivas do bem.