terça-feira, 27 de maio de 2014

MISSÃO ESPÍRITA

Ruge na Terra tormenta renovadora.
O mundo social assemelha-se a grande cidade hesitando nos fundamentos.
O colapso de valores seculares da civilização, embora exprima ansiedade pelo que é novo,
lembra a destruição de antigo cais, efetuada imprudentemente, sem construções que o
substituam.
A licença desafia o conceito de liberdade.
A indisciplina procura nomear-se como sendo revisão de conduta.
É a tempestade de transição englobando lutas gigantescas e necessárias.
No entrechoque das paixões e das sombras, a missão espírita há de ser equilíbrio que
sane a perturbação e luz que vença as trevas.
* * *
Para isso, se trazes o coração alerta na obra criativa e restauradora, recorda que não se te
pedem exibições de grandeza na ribalta da experiência.
Sê a frase calmante que diminui a aflição ou o copo de água simples que alivie o tormento
da sede.
Inumeráveis são as lágrimas, não as aumentes.
Enormes são os males, não os agraves.
Problemas enxameiam em toda parte, não os compliques.
Sofrimentos abarrotam caminhos, não lhes alargues a extensão.
Conflitos obscurecem a vida, em todos os setores, não os estendas.
* * *
Muita vez, perante as dificuldades dos tempos novos, solicitas aviso e rumo do Plano
Superior para o seguro desdobramento dos deveres que te cumpre desempenhar. E, sem
dúvida, os poderes da Vida Maior não te recusarão esclarecimento e roteiro. Entretanto, é justo
ponderar que, se esperamos pelas Forças Divinas, as Forças Divinas igualmente esperam por
nós. Saibamos, conseqüentemente, prestigiá-las e acolhê-las, em nossa área de trabalho e de
ideal, estimulando a sementeira da paz e fortalecendo o serviço de elevação.