domingo, 22 de junho de 2014

De sombras e de sol

Todo ser humano traz dentro de si uma luz maior que a das estrelas. Um universo inteiro de amor vive latente dentro de cada um de nós.
Quando esteve entre nós, aqui na Terra, Jesus nos fez um doce convite: Brilhe a vossa luz!
E disse ainda mais: declarou que todos os seres humanos são deuses, são o sal da Terra e a luz do mundo.
Quanta poesia nestas palavras do Cristo! Elas são um lembrete permanente para os dias em que a sombra toma conta de nossas vidas.
E como são muitos esses dias sem sol! Parece que uma grande nuvem cinza encobre a luz.
É quando estamos infelizes. Quando a dor encontra morada no coração, quando perdemos a alegria, quando os sorrisos parecem distantes.
Mas há outras ocasiões em que uma luz radiosa parece nos iluminar.
Esses dias claros traduzem nossa alegria, a harmonia interna. É a felicidade que se revela em nós.
E nos perguntamos: Por que não somos sempre assim? Por que não há apenas dias solares, cheios de cor e claridade?
É que ainda nos permitimos viver na sombra. Para a maior parte da Humanidade ainda é mais natural se identificar com estados de angústia, tristeza, aborrecimento.
Mas um dia aprenderemos a viver de forma diferente. Privilegiaremos a bondade, esqueceremos a maledicência, cultivaremos a alegria.
Daremos menos atenção a notícias e programas sensacionalistas ou que exploram o sofrimento dos outros.
Não permitiremos que a morbidez encontre espaço em nossa vida.
Buscaremos a felicidade nas coisas simples. Não seremos escravos do dinheiro ou do trabalho. E nos contentaremos com o necessário. Luxo e excessos não nos seduzirão mais.
Nesse dia saberemos que o segredo da felicidade não está nos bens que acumulamos, mas no bem que fazemos aos outros.
A maior parte das pessoas busca a felicidade em coisas externas. É que somos treinados para acreditar que seremos felizes apenas se tivermos carros, roupas e sapatos caros.
Colocamos nossa alegria em uma bela casa ou em viagens espetaculares.
Mas essa alegria é como uma bolha de sabão. Vai estourar à primeira dificuldade. Pense: diante do sofrimento moral, da perda de um ser amado, de um filho que se atormenta nos caminhos do mundo, de que valem as riquezas?
O mundo está cheio de ricos infelizes, que vivem em um mundo de sombras. E quando o coração está cinzento, de nada adianta o sol brilhar em um dia dourado.
Assim, observe o que o faz realmente feliz.
Analise seu mundo íntimo e dê prioridade para pessoas e situações que lhe dão alegria: uma visita aos pais idosos, um passeio com a família, uma tarde em companhia de amigos queridos.
É assim que sua vida se encherá de luz.
*   *   *
A sombra é geratriz de equívocos como o erro é matriz de tormentos íntimos naquele que o pratica.
Afugenta as sombras que tingem de escuridade as tuas esperanças.
Acende no teu caminho a tua lâmpada clarificadora, iluminando a rota dos teus pés.

Redação do Momento Espírita, com pensamento do
verbete
Sombra, do livro Repositório de sabedoria, v. 2,
pelo Espírito Joanna de Ângelis, psicografia de Divaldo Pereira Franco,
ed. LEAL.