quarta-feira, 12 de setembro de 2012

Marcas

“Desde agora ninguém me moleste, porque trago no
meu corpo as marcas do Senhor J esus.”
Paulo (Gálatas, 6:17)


Todas as realizações humanas possuem marca própria. Casas, livros,
artigos, medicamentos, tudo exibe um sinal de identificação aos olhos atentos. Se
medida semelhante é aproveitada na lei de uso dos objetos transitórios, não se
poderia subtrair o mesmo princípio, na catalogação de tudo o que se refira à vida
eterna. Jesus possui, igualmente, os sinais d’Ele. A imagem utilizada por Paulo de
Tarso, em suas exortações aos gálatas, pode ser mais extensa. As marcas do Cristo
não são apenas as da cruz, mas também as de sua atividade na experiência comum.
Em cada situação, o homem pode revelar uma demonstração do Divino
Mestre. Jesus forneceu padrões educativos em todas as particularidades da sua
passagem pelo mundo. O Evangelho nolo
apresenta nos mais diversos quadros,
junto ao trabalho, à simplicidade, ao pecado, à pobreza, à alegria, à dor, a
glorificação e ao martírio. Sua atitude, em cada posição da vida, assinalou um traço
novo de conduta para os aprendizes. Todos os dias, portanto, o discípulo pode
encontrar recursos de salientar suas ações mais comuns com os registros de Jesus.
Quando termine cada dia, passa em revista as pequeninas experiências que
partilhaste na estrada vulgar. Observa os sinais com que assinalaste os teus atos,
recordando que a marca do Cristo é, fundamentalmente, aquela do sacrifício de si
mesmo para o bem de todos.


Vinha de Luz/Emmanuel/FCXavier