terça-feira, 10 de abril de 2012

EM TORNO DA VIRTUDE

Se uma criatura possui enorme fortuna, podendo desmandar-se na
prodigalidade ou na avareza, e busca empregá-la no bem-estar e no progresso, na
educação e no aprimoramento dos semelhantes...
Se dispõe de autoridade com recursos para manejar a própria influência em seu
exclusivo proveito, e procura aplicá-la no auxílio aos outros...
Se sofre acusação indébita com elementos para justiçar-se do modo que
considere mais justo, e prefere esquecer a ofensa recebida, reconhecendo-se igualmente
passível de errar...
Se já efetuou, em favor de alguém, todos os serviços ao seu alcance,
recolhendo invariàvelmente a incompreensão por resposta, e prossegue amparando esse
alguém, através dos meios que se lhe fazem possíveis, sem exigência e sem queixa...
Essa pessoa ter-se-á colocado, evidentemente, a cavaleiro das piores tentações
que lhe assediavam a vida.
Todos nós, – os espíritos em evolução e resgate nas trilhas do Universo, –
recapitulamos as experiências em que tenhamos falido. Ã vista disso, todas as provações
na escola terrestre assumem a feição de ensinamentos e testes indispensáveis. Há quem
renasça mostrando extrema beleza, física, a fim de superar inclinações
ao;desregramento carregando um cérebro privilegiado para vencer a vaidade da
inteligência; detendo valiosa titulação acadêmica de modo a subjugar a propensão para o
abuso; ou exercendo encargos difíceis nas causas nobres, de maneira a extinguir os
impulsos de deserção ou deslealdade.
Cada qual de nós, no internato da reencarnação, é examinado nas tendências
inferiores que trazemos das existências passadas, a fim de aprendermos que somente
nos será possível conquistar o bem, vencendo o mal que nos procure, tantas vezes
quantas necessárias, mesmo alem do débito pago ou da sombra extinta.
Fácil, pois, observar que sem a presença da tentação, a virtude não aparece e
assim será sempre para que a inocência não seja uma flor estéril e para que as grandes
teorias de elevação não se façam sementes frustras no campo da Humanidade.