quinta-feira, 1 de março de 2012

DIFERENÇAS

"Nisto todos conhecerão que sois meus discípulos, se vos amardes
uns aos outros." - Jesus. (JOÃO, 13:35.)


Nas variadas escolas do Cristianismo, vemos milhares de pessoas
que, de alguma sorte, se ligam ao Mestre e Senhor.
Há corações que se desfazem nos louvores ao Grande Médico,
exaltando-lhe a intercessão divina nos acontecimentos em que se
reconheceram favorecidos, mas não passam das afirmativas
espetaculares, qual se vivessem indefinidamente mergulhados em
maravilhosas visões.
São os simplesmente beneficiários e sonhadores.
Há temperamentos ardorosos que impressionam da tribuna, através
de preleções eruditas e comoventes, em que relacionam a posição do
Grande Renovador, na religião, na filosofia e na história, não
avançando, contudo, além dos discursos preciosos.
São os simplesmente sacerdotes e pregadores.
Há inteligências primorosas que vazam páginas sublimes de crença
consoladora, arrancando lágrimas de emoção aos leitores ávidos de
conhecimento revelador, todavia, não ultrapassam o campo do
beletrismo religioso.
São os simplesmente escritores e intelectuais.
Todos guardam recursos e méritos especializados.
Existe, no entanto, nos trabalhos da Boa Nova, um tipo de
cooperador diferente.
Louva o Senhor com pensamentos, palavras e
atos, cada dia.
Distribui o tesouro do bem, por intermédio do verbo consolador,
sempre que possível.
Escreve conceitos edificantes, em torno do Evangelho, toda vez que
as circunstâncias lho permitem.
Ultrapassa, porém, toda pregação falada ou escrita, agindo
incessantemente na sementeira do bem, em obras de sacrifício
próprio e de amor puro, nos moldes de ação que o Cristo nos legou.
Não pede recompensa, não pergunta por resultados, não se sintoniza
com o mal. Abençoa e ajuda sempre.
Semelhante companheiro é conhecido por verdadeiro discípulo do
Senhor, por muito amar.