terça-feira, 14 de agosto de 2012

SE TEUS OLHOS FOREM BONS...

Se tiveres bondade em teu entendimento, esteja ela revestida das
palavras mais complexas, a Verdade se te revelará, sem que, para
tanto, necessites de maior erudição.
Se tudo observares pela óptica sublime do Amor, conforme o
próprio Cristo nos observa em nossas imperfeições e mazelas,
lograrás profunda compreensão de todas as coisas, não
permanecendo na superficialidade das interpretações equivocadas.
Se os teus olhos se comprazem na contemplação do mal, é obvio
que tão somente divisarás trevas que se adensam à tua volta, mas
se procuras sintonia real com o bem, te depararás com a face
luminosa da vida sobre a aparente penumbra com que a vida se te
apresenta à visão.
Bondade é sinônimo de luz em teus olhos, em teu corpo, em todo
o teu ser...
Ninguém alcança os pórticos do conhecimento do superior,
manejando apenas os recursos da inteligência comum.
A sabedoria pressupõe muito mais!...
Se pretendes transcender o habitual e penetrar o espírito da
letra, encerrando contigo mais de meras informações que qualquer
biblioteca te pode fornecer, além de refletires sob os auspícios da fé
raciocinada, aprende a intuir com o coração.
A bondade em teus olhos e em tuas mãos se constituiu em tudo o
que sabes traduzido na prática, dimensionando as lições que, até o
teu presente momento evolutivo, foste capaz de assimilar.
Neste sentido, não olvidemos a advertência do Mestre, referindose
incisivo, ao modo como utilizamos a faculdade da visão, em suas
expressões físicas e espirituais, com que fomos aquinhoados: “Se o
teu olho direito te faz tropeçar, arranca-o e lança-o de ti”. (Mateus,
5:30).
Irmão José
Uberaba (MG), 14 de agosto de 2005
Espírito Irmão José/
Carlos A. Baccelli